24 de fevereiro de 2021 Atualizado 22:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Goiás

Pirenópolis oferece hospedagens adaptadas à Covid-19

Na retomada, setor hoteleiro busca inovações para que experiência seja segura e nada atrapalhe a retomada

Por Redação

12 nov 2020 às 07:54

Imagine passar uma temporada em uma casa minimalista, pequena, porém com tudo o que você precisa. Uma casa que está em meio à natureza, porém com muita tecnologia embarcada. Você acorda e a própria casa te diz “bom dia”, acende a luz por comando de voz e prepara o seu café automaticamente.

Os visitantes de Pirenópolis, localizada a 120 km de Goiânia e 140 km de Brasília, poderão experimentar essa sensação com a Ayla Smart House, projeto desenvolvido por dois empreendedores da cidade que investem em um ecoturismo que valoriza o minimalismo misturado à necessidade por segurança sanitária nos novos tempos de pandemia.

Ayla Smart House – Foto: Divulgação

O projeto da habitação de 37 m² foi idealizado pelo jovem empreendedor, Neylon Jacob, e pelo seu pai, o artesão e carpinteiro Nelton Xavier de Barros, e contou com a colaboração do mestre de obras Adriano Lena.

Pronta para receber hóspedes, foram aproximadamente oito meses de trabalho para preparar cada detalhe para tornar a casa funcional e inteligente. A pandemia norteou o projeto, que traz soluções para o novo período em que minimizar a necessidade de toque passou a ser uma medida sanitária.

Todos o cuidados estão sendo tomados em relação à pandemia – Foto: Divulgação

O setor de turismo foi um dos que mais sofreu com a pandemia pelo coronavírus.

Em Goiás, cidades turísticas como Pirenópolis ficaram 5 meses sem receber visitantes, o que representou uma queda de 33% no faturamento médio de ICMS com as Atividades Características do Turismo (ACT’s) de janeiro a julho de 2020, na comparação com o mesmo período de 2019.

Os dados são do Observatório do Turismo e, para a região turística de Ouro e Cristais, na qual se insere Pirenópolis, o faturamento caiu em 39%.

“Pensar em inovação foi uma forma de dar a volta por cima nessa crise provocada pelo vírus, uma forma de focar em um futuro de coisas boas, e não em um presente tão limitador”, desabafa Jacob, que começou a pensar na casa durante o período de de isolamento para que o negócio da família, a Shambala Piri, atravessasse esse período desafiador.

Os hóspedes, por exemplo, serão lembrados de seus compromissos durante a estadia na smart house por meio do programa Google Nest, que proporcionará programar toda a sua agenda e receber notificações por meio de uma voz inteligente instalada na casa.

“O espaço será praticamente todo automatizado. Também foi pensada em uma máquina de café para prepará-lo antes mesmo da chegada do turista, de modo que ele escolhe o melhor horário para isso, bastando saber o horário preciso para se configurar a máquina. O fogão também será aceso por indução, garantindo a segurança para os visitantes”, destaca Jacob.

LUAR COMO PROTAGONISTA
Batizada de Ayla, o nome tem origem hebraica e significa luz do luar. Jacob explica a escolha se deu pela existência de duas janelas sobre a cama da smart house que possibilitará uma linda vista do luar nas serras da região.

“Propositadamente, a gente quis valorizar esse presente da natureza, que será ainda mais especial nas noites de lua cheia”, diz o idealizador.

Com capacidade de receber duas pessoas, a Ayla é toda feita toda de madeira de eucalipto tratado e ipê roxo. Com dois pavimentos, no mezanino, está o quarto do casal com uma cama queen size. Embaixo, tem a cozinha americana e o living, com um cinema e um deck de 2,5m x 5m com banheira de hidromassagem e bistrô.

A iluminação natural será outra característica da casa, são cinco janelas de 1,5 x 1 metro. Em busca pela sustentabilidade, ela conta com aquecimento solar para a banheira de hidromassagem e o chuveiro. A cobertura é feita com telhas ecológicas onduline, proveniente de fibras vegetais recicladas e com processo produtivo de baixo impacto ambiental.

Ayla Smart House – Foto: Divulgação

Novas experiências
Apesar ter conceito minimalista, a casa apresenta muitas possibilidades de experiências. No deck, por exemplo, a banheira de hidromassagem poderá ser usada como piscina privativa durante o dia, com água fria e opção de tomar um espumante ou vinho gelado. Já à noite, o hóspede pode escolher uma água mais quente, tomar um bom vinho e um fondue em um ambiente mais intimista.

Ayla Smart House – Foto: Divulgação

Cinema no living
No living, haverá um cinema de aproximadamente 150’ smart que possibilita o acesso a plataformas de streaming pelo comando de voz. “O check-in e check-out, além das compras e pagamentos de tudo o que for consumido no local será feito de maneira digital, sem contato humano, por meio de um sistema próprio com o site.

Publicidade