17 de janeiro de 2022 Atualizado 22:00

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Pet

Outubro rosa e novembro azul para pets: prevenção do câncer em animais

Especialista alerta sobre os perigos de tumores em pets

Por Loriza Kettle - Assessora de Imprensa

01 nov 2021 às 08:08

Hoje curada, a cadelinha Brisa, uma Shitzu de 11 anos, passou por cirurgia e quimioterapia - Foto: Divulgação

Os meses de outubro e novembro ganharam repercussão mundial ao se tornarem símbolo da luta pela prevenção do câncer de mama e câncer de próstata, duas das maiores incidências de morte por tumor no mundo.
Porém, essas doenças não são exclusivas dos seres humanos e especialistas alertam donos de pets para importância da prevenção e diagnóstico precoce.

Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), esses tumores atingem cerca de 80% dos cães e gatos não castrados. “Um dos grandes desafios é o fato do animal com tumor não apresentar nenhuma alteração em seu comportamento. Ele não sente dor, continua comendo bem, correndo, não apresenta nada diferente, o que muitas vezes retarda a procura por um especialista”, alerta Francisco José Andrade, oncologista com 30 anos de experiência em clínica veterinária.

Se a mudança de comportamento não é um indício da doença, existem outros aspectos que ajudam na identificação precoce. “Ao fazer um carinho no seu pet, verifique se há aumento da mama ou algum nódulo durinho. Se perceber alguma alteração procure imediatamente um especialista”, avisa ele.

Foi o que aconteceu com a tutora Neusa Selber, que descobriu um nódulo na cadelinha Brisa, uma Shitzu de 11 anos, durante o banho. “Fiquei observando por duas semanas e quando percebi que aumentou um pouco fui imediatamente procurar por ajuda”, diz a professora. “No caso da Brisa, tivemos que fazer a cirurgia para remoção e mais seis sessões de quimioterapia”, diz Francisco.

O baixo índice de castrações nesse período vem acompanhado da crença de que esse procedimento pode reduzir a qualidade de vida do pet. “Não castrei a Brisa porque pensava em cruzá-la e depois senti pena de fazê-la passar por isso. Me senti muito culpada quando apareceu o nódulo”, lembra Neusa.

Para Dr. Andrade, esse é um medo comum. “O ato sexual para os animais funciona como instinto de sobrevivência, para preservar a espécie. A castração não piora sua qualidade de vida, pelo contrário, melhora”, diz Andrade.

Além dos tumores, a castração evita várias outras doenças nas fêmeas como infecção uterina, prolapso vaginal e piometria nas fêmeas. Nos machos pode evitar o câncer de próstata, câncer nos testículos e infecções na genitália, além dos tumores nas mamas, em ambos.

“Castrar é um ato de amor e faz parte dos cuidados básicos. Além disso, quanto mais cedo o diagnóstico for realizado, maiores são as chances de cura, pois em 50% dos casos do câncer de mama nos pets os tumores são malignos. A dica é cuidar da família, do ser humano e também dos pets”, diz ele.

Publicidade