27 de maio de 2022 Atualizado 20:45

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Motors

SUVs continuam em alta, mas modelos elétricos começam a chamar atenção

Confira a retrospectiva do mercado automobilístico em 2021 e o que foi destaque

Por Eduardo Rocha / Auto Press

03 Janeiro 2022, às 11h04

Como mercado periférico típico, o Brasil fica a reboque do que acontece lá fora. Por isso mesmo, os dominantes SUVs ganharam em 2021 a companhia de diversos modelos elétricos.

A princípio, um carro elétrico é um contrassenso em um país que tem uma estrutura montada para o uso do etanol, um combustível carbono zero, enquanto o carro elétrico consome uma energia que tem 80% de sua geração a partir de petróleo, gás e carvão, altamente poluentes.

Mas por enquanto é apenas um modismo – sem sentido, como quase todos os modismos – que está seduzindo apenas os ocupantes das coberturas – até por conta dos preços assustadores dos modelos.

Dois bons exemplos são o Audi e-tron GT e o Volvo XC40 T8. Mas há outros, como o novo Renault Zoe, o Fiat 500e e até o novo Chevrolet Bolt EV.

No mercado real, o império é dos SUVs. A lista é imensa e vai dos renovados Nissan Kicks, Hyundai Creta, Chery Tiggo 3x e 7 Pro até os novos Volkswagen Taos, Toyota Corolla Cross, Fiat Pulse, Jeep Commander e Ford Bronco Sport.

Fora dessas duas vertentes, quem chamou a atenção foi o novo Série 4. Mas não pelos motivos corretos: o visual frontal do novo BMW provocou grande polêmica e até um pouco de revolta. Nada que um pouco de convívio não torne menos dramático.

Audi e-tron GT

A Audi decidiu trazer para o Brasil seu primeiro sedã esportivo totalmente elétrico. O e-tron GT é um rebadge do prestigiado Porsche Taycan e teve seu primeiro lote, de 35 unidades, esgotado logo que as vendas foram abertas. O e-tron GT traz dois motores que tracionam as quatro rodas e somam 590 cv de potência.

O modelo pode ser o primeiro elétrico a receber uma versão RS, que teria 700 cv. O conjunto de baterias deve ser o mesmo que equipa as versões SUV e Sportback do e-tron, que têm 95 kWh de capacidade, que pode ter uma autonomia de até 400 km.

BMW Série 4 – Foto: Divulgação

BMW Série 4

A BMW promoveu uma separação de corpos entre o Série 3 e o novo Série 4. O modelo ganhou um visual diferente e bem mais ousado que o do sedã e causou polêmica, por conta da clássica grade dupla, que ocupa praticamente toda a altura da parte frontal e tem sido considerada exagerada e pouco estética. O modelo desembarcou na versão 430i Gran Coupé ou cupê de quatro portas 430i. O motor 2.0 twin turbo de 258 cv de potência e 40,8 kgfm de torque é capaz de acelerar o 430i de zero a 100 km/h em 6,2 segundos e alcança a máxima de 250 km/h.

Caoa Chery Tiggo 3x

O Tiggo 3x é o quinto SUV da Caoa Chery no Brasil. A rigor, trata-se de um face-lift do Tiggo 2, mas ganhou no Brasil uma reinterpretação que buscou valorizar o modelo. Ele conta com um motor mais moderno, 1.0 turbo de três cilindros, com 98/102 cv e 16,8/17,1 kgfm, sempre gerenciado por um câmbio CVT com nove marchas pré-programadas.

Caoa Chery Tiggo 7 Pro

O Tiggo 7 TXS não completou três anos de mercado e já ganhou um substituto. A evolução foi flagrante. Para começar, o Tiggo 7 Pro ganhou uma motorização mais forte: 1.6 turbo de 187 cv e 28 kgfm de torque, gerenciado por um câmbio automático de dupla embreagem e sete marchas.

Depois, o conteúdo também melhorou, com ar-condicionado duplo automático, bancos elétricos para motorista e passageiro, acabamento em couro sintético nos bancos, teto solar panorâmico, central multimídia com tela touch de 10,25 polegadas com espelhamento via cabo de Android Auto e Apple CarPlay e projeção da câmera 3600, que inclui “visão aérea” e imagem do ponto cego lateral. O que também chama a atenção é o novo visual, com linhas mais atraentes.

Chevrolet S-10 Z71

A GM apresentou a versão com visual off-road Z71, para entrar no nicho em que a Ford Ranger Storm e a Nissan Frontier Attack vêm se dando bem. A configuração tem conteúdo próximo ao da versão LT acrescido de alguns itens para ganhar um charme aventureiro. São 20 itens de diferenciação, quase todos estéticos, mas tem a importante inclusão dos pneus 265/60 R18 A/T, desenvolvido em conjunto com a Michelin. A Z71 é animada pelo motor turbodiesel 2.8 litros com quatro cilindros em linha que rende 200 cv e 51 kgfm, gerenciado por um câmbio automático de seis marchas com tração 4×2 com acoplamento 4×4 e reduzida.

Fiat Pulse

Primeiro SUV compacto da Fiat, o modelo nasceu baseado na nova plataforma MLA, que compartilha com o Argo diversos elementos estruturais e de carroceria – como portas, para-lama etc. O modelo também estreou o novo motor 1.0 turbo da família GSE, com potência entre 125 e 130 cv, com 20,4 kgfm, com gasolina e etanol, que trabalha sempre em conjunto com um câmbio CVT com sete marchas pré-programadas – há ainda uma versão com o motor 1.3 Firefly aspirado com potência entre 98 e 107 cv, torque entre 13,2 e 13,7 kgfm e câmbio manual ou CVT.

Ford Bronco Sport

O SUV médio é produzido no México e tem uma pegada off-road forte. Ele chegou na versão Wiltrack, uma das mais recheadas da linha, e tem motor turbo de 2.0 litros, EcoBoost, com 240 cv e 38 kgfm, tração nas quatro rodas, bloqueio do diferencial, seletor de terreno e de modos de condução.

Hyundai Creta – Foto: Divulgação

Hyundai Creta

O novo Creta mudou seu nivelamento no mercado, com novos conteúdos e preços cerca de 20% acima do antigo modelo. Outro risco da marca sul-coreana foi em relação ao design, que tinha tudo para causar enorme estranhamento. Até a própria Hyundai esperava por isso, tanto que deixou a versão Action 1.6 com visual e preço antigos como salvaguarda. Mas tudo deu certo para a marca. O novo Creta acabou sendo bem recebido e as vendas se mantiveram em alta, entre 5 mil e 7 mil unidades por mês. Mesmo que nesse total se inclua o Creta de cara antiga, são excelentes números. O SUV manteve a estrutura do antigo modelo, ganhou diversos recursos e passou a contar com o motor 1.0 TGDI, de 120 cv e 17,56 kgfm.

Jeep Commander – Foto: Divulgação

Jeep Commander

Trata-se, simplesmente, do automóvel mais requintado construído no País. O modelo utiliza a plataforma redimensionada para poder oferecer lugar para sete ocupantes, um de seus principais diferenciais. Sob o capô, ele também traz os motores GSE 1.3 litro turbo T270 com 185 cv e 27,6 kgfm e o Multijet 2.0 litros turbodiesel T380 com alterações mecânicas em relação ao usado no Compass, como uma turbina de maior capacidade para elevar o torque de 35,7 para 38,7 kgfm, com os mesmos 170 cv.

Nissan Kicks

O SUV compacto adotou o mesmo estilo já exibido no sedã Versa e que reflete a nova fase do conceito de design V Motion, com uma grossa moldura em preto brilhante em torno do friso cromado que contorna a grade. Na traseira, o formato das lanternas não mudou, mas as seções internas serão modificadas e uma barra reflexiva sublinha o vidro traseiro. Sob o capô, o modelo manteve o motor 1.6 de 114 cv com câmbio CVT. O carro também ganhou diversos recursos de assistência, como frenagem autônoma e alerta de colisão.

Toyota Corolla Cross

A Toyota apostou no Corolla Cross como fiel depositário dos clientes do sedã Corolla que queriam seguir a moda de SUVs. E ganhou a aposta. Mesmo que dinamicamente o Corolla Cross esteja mais para ser uma Fielder altinha, o crossover da marca japonesa caiu no gosto dos consumidores. Logo de cara, o modelo se isolou como o segundo SUV médio mais vendido – perde apenas para o Jeep Compass. O Corolla Cross tem uma gama que é gêmea da linha do sedã, como duas versões com motores 2.0 flex de 177 cv e outras duas, mais completas, com motorização híbrida, com motor 1.8 conjugado a um motor elétrico, com potência combinada de 122 cv.

Volkswagen Taos

O SUV médio foi criado para ser mais barato e ter maior volume que o Tiguan, que passou a ser importado apenas nas versões superiores, mas a estratégia não deu muito certo. Um dos motivos talvez seja o fato de o Taos ser mais do mesmo. É um crossover com dinâmica, motor, recursos e cara de qualquer outro Volkswagen, sem qualquer ousadia. O motor, inclusive, é o mesmo usado no Jetta e nas versões superiores do T-Cross, do Virtus e até do Polo. Trata-se propulsor 1.4 TSI de 150 cv e 25,5 kgfm, que já começa a sentir o peso da idade.

Volvo XC40 Recharge P8

A Volvo resolveu investir com vontade nos carros 100% elétricos no Brasil. O primeiro passo nesse sentido foi o lançamento do XC40 P8 AWD Recharge Pure Electric. O modelo conta com dois motores que geram uma potência equivalente a 408 cv e torque de 67,3 kgfm. A bateria de íons de lítio com capacidade de 78 kWh promete uma autonomia de até 418 km.

Publicidade