05 de agosto de 2021 Atualizado 07:41

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Homenagem

Ford reedita o emblemático Mustang Mach 1

Versão é vigorosa, tecnológica e mais atraente, criada diretamente pela engenharia da marca norte-americana

Por Alexander Konstantonis / Auto Press

12 jun 2021 às 08:19 • Última atualização 12 jun 2021 às 09:34

A Ford recorreu à designação emblemática Mach 1 para registrar uma versão do Mustang criada diretamente pela engenharia da marca, posicionada logo abaixo da poderosa variante Shelby.

Apesar de ser um nome marcante, é apenas a terceira vez que o nome Mach 1 é adotado. A primeira vez foi em 1969, como homenagem pela quebra da barreira do som: 1.234,8 km/h pelo piloto Chuck Yeager, em 1947, a bordo do caça experimental Bell X-1.

O esportivo vinha numa configuração fastback 2+2 e era animado por um motor Windsor V8 de 5.752 cm³, de 250 cv.

Este primeiro Mach 1 se manteve em linha até 1978, já enfraquecido pelas leis de emissões criadas em 1974 em função da primeira grande crise do petróleo no mundo.

Mustang Mach 1 – Foto: Divulgação

O nome ficou engavetado até que, em 2003, a Ford ressignificou o modelo, com uma releitura retrofuturista, para marcar o centenário da marca e os 40 anos do Mustang. A versão foi criada pelo SVT – Special Vehicle Team – e acabou provocando o ressurgimento de Pony Cars no mercado – casos do Chevrolet Camaro e do Dodge Challenger.

Ele trazia sob o capô um V8 de 4.6 litros de 309 cv e ficou em linha apenas até o ano seguinte. Somente agora, na linha 2021, a Ford resolveu recriar a Mach 1, que deve ficar em linha apenas este ano.

Mustang Mach 1 – Foto: Divulgação

Ele traz de volta os elementos estéticos clássicos da versão, como os detalhes em preto fosco na carroceria e as entradas de ar no capô, só que desta vez bem mais discretas. Na grade, no lugar onde ficariam os faróis auxiliares – dispensáveis em um carro com iluminação full led –, a Ford instalou duas molduras redondas como referência estética, ladeando o emblema em cinza. Para finalizar, as rodas são pintadas de preto brilhante.

Essa massa é movimentada pelo consagrado motor 5.0 litros V8, mais conhecido como Coyote. Ele passou por uma atualização de software na divisão Ford Performance, que conseguiu espremer mais 17 cv para chegar a 483 cv de potência no total, com um torque de 56,7 kgfm ao modelo.

Mustang Mach 1 – Foto: Divulgação

Esta mesma melhoria estava disponível como opcional na versão Bullitt, que foi substituída na gama pelo Mach 1. No Brasil, ele é sempre gerenciado pelo mesmo câmbio de 10 marchas presentes nas versões anteriores, mas a variante testada trazia o câmbio manual de seis marchas, com direito a alavanca de marchas com pomo esférico, como no original.

A suspensão é um dos destaques desse Ford Mach 1. Ela é independente em ambos os eixos, com o esquema McPherson confiável, e por trás encontramos uma suspensão multilink.

Mustang Mach 1 – Foto: Divulgação

Os amortecedores são equipados com o sistema Magneride, que através de impulsos elétricos pode modificar o grau de viscosidade do fluido interno do cartucho, tornando-o mais macio ou mais rígido, dependendo das necessidades no momento.

No interior dois elementos chamam a atenção: os bancos assinados pela Recaro e o botão da alavanca de engrenagem que emula uma bola de bilhar. A cor predominante é o preto, com revestimento em couro nos bancos, painéis de porta, consoles central e frontal.

Mustang Mach 1 – Foto: Divulgação

No console fica o centro nervoso de Mach 1, uma tela sensível ao toque de 8 polegadas, onde se pode configurar praticamente tudo no automóvel, inclusive os seis modos de condução: Normal, Esportivo, Esportivo+, Pista, Drag e Neve-Molhado, e também um chamado My Mode, em que o motorista ou piloto pode fazer configurações individuais.

Impressões ao dirigir
Seja fã ou não, dirigir um Mustang é um evento. E ter a chance de experimentar o modelo na pista é memorável. O acionamento da alavanca é muito mecânico, enquanto o pedal de embreagem é firme, sem ser duro, mas o condutor tem de ser suave na operação, caso contrário o Mach 1 vai pegar um fôlego e reagir de forma violenta.

Mustang Mach 1 – Foto: Divulgação

O Mustang Mach 1 tem seis modos de condução: Normal, Neve-Chuva, Esportivo, Esportivo+, Pista e Drag. O som do escapamento é viciante.]

Durante a condução esportiva, não é preciso lutar com o volante, que tem ótima pegada. Graças ao design dos bancos, o corpo fica bem firme. O Mustang é um bom esportivo, com boa resposta e belo design. Muito americano.

Publicidade