06 de agosto de 2022 Atualizado 17:05

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Decoração e Arquitetura

Como utilizar mesa embutida no décor

A arquiteta Karina Korn aborda a versatilidade e as inúmeras possibilidades dessa peça chave em projetos arquitetônicos

Por Beatriz Russo - DC33 Comunicação

11 de fevereiro de 2022, às 07h18

O tempo passa, a arquitetura se inventa e reinventa, até surgirem novos modos de sair da mesmice e atender demandas específicas, como um apartamento pequeno, por exemplo. Diante de ambientes com metragem reduzida, e o desejo de explorar ao máximo as funções pretendidas, para crianças ou até adultos que costumam se sentar no chão ou desejam se sentar mais eretos, a mesa embutida se faz extremamente versátil.

No quarto infantil, a arquiteta optou por uma mesa saindo da bicama em que as crianças pudessem estudar, desenhar ou brincar, já que elas gostam de se sentar no chão – Foto: Celina Germer

“Muito empregada em cozinhas e salas de jantar, a verdade é que ela não se limita apenas a esses cômodos. Muito pelo contrário: ela pode ser inserida em diferentes ambientes, até mesmo em uma varanda ou um banheiro”, discorre a arquiteta Karina Korn, à frente do escritório que leva seu nome.  

Outro fator que poucos conhecem é sobre a sua funcionalidade. Se em via de regras, o fato de poder abrir e, quando desejado, escondê-la não se dá necessariamente por conta da ausência de espaço. Para a Karina, a funcionalidade vai muito além: “como profissional de arquitetura, nossa percepção acompanha questões como a estética de uma mesa no layout do ambiente, bem como avaliar a necessidade de uma peça maior que ocupa a área 100% do tempo. Mesmo quando o ambiente é maior, pode ser que a mesa embutida se configure como a melhor escolha”, avalia.

Neste projeto, Karina Korn utilizou uma mesa em baixo de um mezanino que serve como um espaço de brincadeiras para a criança, pensando na sua função de canto de estudos e na otimização de espaços no ambiente – Foto: Elisa Soveral

Os formatos também são diversos. Elas podem ser projetada debaixo de uma bancada, ser do modelo que dobra na parede, podem sair de uma penteadeira, darem origem à uma tábua de passar ou até mesmo se tornarem uma mesa de atividades escondida debaixo da cama. “Tudo depende da necessidade da casa e do morador e nasce das boas ideias”, relativiza Karina Korn.

Tendo isso em vista, algumas questões podem ser determinantes para um projeto arquitetônico. Saber se a morada será habitada por apenas ou pessoa ou por sua família, se o emprego do móvel será para refeições ou se sua existência responderá como um cantinho de estudo ou um ponto de apoio são informações preponderantes para a execução.

Cozinhas, salas de estar, jantar, home theaters, quartos ou mesmo banheiros podem ganhar uma nova funcionalidade e design. Cada projeto demanda um tipo de mesa diferente, de acordo com as suas atribuições. “A mesa embutida pode ser a resposta para ocasiões ou para problemas de espaço”, conclui a profissional.  

Publicidade