18 de junho de 2021 Atualizado 23:41

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

Uma mulher morre de câncer cervical a cada 2 minutos

Milhares de pessoas podem morrer por interrupção na programação de combate ao HPV devido à Covid-19

Por PR Newswire

05 Maio 2021 às 09:46

86% dos cânceres cervicais ocorrem em países em desenvolvimento, onde a questão é ainda mais séria - Foto: Divulgação

A Sociedade Internacional do Papilomavírus (IPVS) está incentivando as mulheres a comparecer a exames cervicais atrasados e, para todos os serviços interrompidos, reiniciar, já que milhares de pessoas continuam a perder o tratamento vital do HPV, com consequências fatais. A IPVS também está solicitando equidade global quanto a vacinas.

Uma mulher morre de câncer cervical a cada 2 minutos, mas o HPV é um vírus que pode ser combatido se os serviços forem implementados e retomados. Nos países de maior renda, os exames cervicais diminuíram de 70% para 30-40%, e é improvável que 32% das mulheres compareçam a consultas devido ao medo da Covid-19

A IPVS pede que todos “Perguntem sobre o HPV” falem com políticos locais e profissionais da área da saúde e se informem acessando www.askabouthpv.org.

Segundo a IPVS, 86% dos cânceres cervicais ocorrem em países em desenvolvimento, onde a questão é ainda mais séria. Na África subsaariana, que tem a maior taxa de câncer cervical do mundo, o exame cervical está disponível para menos de 5% das mulheres qualificadas.

A professora Margaret Stanley, presidente da IPVS, diz: “É incompreensível que haja tanta desigualdade na implementação de um atendimento médico crucial e barato. Mulheres jovens estão perdendo consultas vitais no momento, o que pode ser fatal. Mais de 350.000 pessoas morrem anualmente de doenças relacionadas ao HPV. A prevenção e o tratamento precoces são fundamentais – o mundo precisa agir”.

Aproximadamente 20% dos homens têm o DNA do HPV detectado em sua região genital, e os casos aumentam a cada ano, levando a mortes por câncer anal, peniano e de garganta. O exame e o tratamento para prevenir esses tipos de câncer não estão amplamente disponíveis.

Joel Palefsky, presidente da Campanha de Conscientização do HPV e especialista em câncer relacionado ao HPV em homens, disse: “Com razão, o foco tem sido no câncer cervical, a principal causa de morte em mulheres em razão do câncer relacionado ao HPV. No entanto, os cânceres anal e de garganta estão se tornando cada vez mais comuns, e os homens com HIV ou imunossuprimidos são particularmente de alto risco. Precisamos eliminar o estigma”.

Fonte: International Papillomavirus Society

Publicidade