05 de março de 2021 Atualizado 16:19

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Novembro Azul

Medo é uma das principais barreiras contra o câncer de próstata

Medo dos impactos dos tratamentos na sexualidade masculina é obstáculo para a prevenção e diagnóstico precoce

Por Redação

12 nov 2020 às 07:55

A campanha Novembro Azul tem a missão de conscientizar a população masculina sobre a importância da prevenção do câncer de próstata, que em dez anos será o tumor que mais matará homens no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) indicam que existem aproximadamente 66 mil pacientes com câncer de próstata no Brasil em 2020. É consenso entre especialistas que o diagnóstico precoce aumenta chance de cura. Por isso, os cuidados regulares com a saúde do homem são fundamentais para identificar a doença rapidamente, de acordo com o urologista supervisor de qualidade do CEJAM – Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim”-, Rodolfo Santana.

Um homem morre vítima de câncer de próstata a cada 38 minutos no Brasil – Foto: Adobe Stock

A Sociedade Brasileira de Urologia estabelece que homens após os 50 anos e aqueles com mais de 45 anos e histórico familiar de câncer de próstata devem discutir com seu urologista os riscos e benefícios dos exames preventivos para a doença, que geralmente são a associação da dosagem no sangue de uma proteína chamada PSA e o toque retal, que dura 15 segundos e é complemente indolor.

“O medo de fazer acompanhamento por conta deste exame é um grande mito da saúde masculina”, diz o urologista.

Como o câncer de próstata possui uma evolução lenta e assintomática na maioria dos casos, os homens costumam tomar conhecimento da doença já em estágios avançados, o que inviabiliza a cura. “A maioria dos casos de câncer de próstata é assintomática no diagnóstico. É uma doença silenciosa que requer um acompanhamento periódico, principalmente em afrodescendentes, que têm maior chance de desenvolver a doença”, avalia Santana.

A idade é um fator de risco para o câncer de próstata, afinal a maioria dos casos acontece em homens com mais de 65 anos. “Além disso, um histórico familiar é preponderante, uma vez que pacientes com parentes de primeiro grau com diagnóstico de câncer de próstata mais do que duplica sua chance de desenvolver a doença”, explica o médico.

A obesidade e a alimentação excessiva de gorduras saturadas e proteínas são fatores que possivelmente favorecem o desenvolvimento deste tumor. Por isso, além do acompanhamento preventivo, é importante manter hábitos saudáveis, como exercícios físicos e dietas balanceadas.

Atualmente, o sistema público de saúde oferece vários tipos de tratamentos para esta doença, desde cirurgias de remoção da próstata, radioterapia e uso de hormônios, que podem interferir na função sexual e urinária dos homens.

“A maioria dos pacientes que faz a cirurgia apresenta piora da sua função erétil ou até mesmo incontinência urinária. Contudo, já existem formas preventivas para trabalhar a recuperação peniana antes mesmo da cirurgia com medicamentos e fisioterapia, reduzindo assim as sequelas”, explica o médico.

O que você sabe sobre o câncer de próstata?

Para estimular a conscientização, o Hospital 9 de Julho traz informações do cirurgião especialista em robótica do H9J, Rafael Coelho, sobre prevenção e diagnóstico precoce da doença.

A próstata é a glândula que produz o sêmen. Os exames preventivos, realizados periodicamente a partir de 45 anos, são feitos para detectar a doença precocemente e a cuidar da saúde do homem.

Câncer de próstata só acontece em idosos
Mito – A incidência aumenta realmente em pacientes mais velhos, porém os homens mais jovens também podem ser diagnosticados quando há predisposição genética ou por outros fatores como histórico familiar.

O câncer nem sempre acontece quando a próstata aumenta de tamanho
Verdade –
O aumento do volume da próstata é um processo fisiológico chamado de hiperplasia benigna. Ela pode levar a sintomas como problemas para urinar, mas não tem correlação com o câncer. “O tratamento cirúrgico pode ser indicado em casos refratários ao tratamento clínico e a cirurgia robótica pode ser uma opção em pacientes com próstatas muito grandes”, explica Coelho.

O câncer de próstata gera impotência sexual
Mito –
A impotência sexual pode ser um efeito colateral dos tratamentos disponíveis para o câncer de próstata. Porém, hoje é possível minimizar estes efeitos. Na cirurgia robótica, por exemplo, podemos diminuir a incontinência urinária e problemas de ereção.

O exame do toque não é a única forma de detectar o câncer de próstata
Verdade –
Além do toque, o urologista pode usar outros exames complementares na avaliação da próstata, como o PSA (exame de sangue), ressonância magnética, ultrassonografia (exames de imagem) e a biópsia (retirada de fragmentos). A forma de diagnóstico é definida pelo médico de acordo com cada caso.

O exame do toque é doloroso
Mito –
Há, porém, o fato de alguns homens ficarem tensos antes do exame e, por isso, podem sentir desconforto. O exame de toque é simples, inócuo e rápido de ser feito, o que permite ao urologista identificar possíveis nódulos suspeitos de câncer na próstata.

É preciso fazer a retirada da próstata em todos os casos de câncer
Mito –
O tratamento varia de acordo com o seu grau de agressividade e as características clínicas dos pacientes. Ele pode envolver cirurgia, radioterapia, bloqueio hormonal, quimioterapia ou mesmo seguir sem tratamento (chamada de vigilância ativa) em tumores pouco agressivos.

A obesidade é um fator de risco para os homens
Verdade –
No homem obeso existe a possibilidade de desenvolver a doença em um nível mais agressivo. Porém não existem dados que comprovem a correlação de obesidade com a incidência global de câncer de próstata.

Toque, sinônimo de tabu

Por se tratar de uma doença cujo tratamento se beneficia do diagnóstico precoce, a realização de exames periódicos é fundamental. Atualmente, a principal forma de detectar o tumor é por meio do chamado exame de toque, que consiste na avaliação manual da próstata do paciente pelo médico. A Sociedade Brasileira de Urologia recomenda a realização anual do exame para quem tem acima de 50 anos.

No entanto, o toque ainda é sinônimo de tabu entre muitos homens. Segundo dados da pesquisa “Novo Olhar para a Saúde do Homem”, feita pela revista Saúde, 45% dos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) com mais de 50 anos nunca foram submetidos ao exame.

Para Anna Caroline, preceptora do curso de enfermagem, esse número acende um alerta sobre a importância da conscientização.

“Há um estigma cultural que faz com que os homens enxerguem o exame de toque como prejudicial à masculinidade. No entanto, é preciso desconstruir essa ideia. Afinal, trata-se de uma medida decisiva no combate à doença, e cuidar da saúde deve ser motivo de orgulho”, finaliza.

Alimentação saudável ajuda a prevenir o câncer de próstata

Nutrólogo cita alimentos para incluir na alimentação e quais evitar

O médico nutrólogo Alexander Gomes de Azevedo alerta que uma alimentação saudável pode ajudar a prevenir a o câncer de próstata. “Ajuda a prevenir até outros cânceres.

Entre os alimentos que podemos citar na prevenção estão os que tem ação anti-inflamatória e antioxidante, que combate os radicais livres.

Por exemplo, o tomate, que é muito rico em licopeno, substância que, através de estudos, foi comprovado que o consumo ajuda a diminuir o risco de contrair a doença”, explica o médico, que diz que o melhor é consumir o fruto cozido: “Já foi comprovado que com o cozimento, ele libera mais licopeno”.

Azevedo também elenca outros alimentos para a dieta:
“Melancia, goiaba vermelha, beterraba, pimentão vermelho, ou seja, os que tem a presença do pigmento vermelho ou laranja. Podemos também consumir os vegetais crucíferos, como brócolis, couve. Eles são importantes porque têm uma substância chamada Indol 3 Carbinol, que diminui o estrógeno na circulação sanguínea impedindo o aparecimento de células cancerígenas que dependem desse hormônio para crescer.

Além desses, aconselho o consumo de alho e a cebola, que têm alicina; a capsaicina da pimenta vermelha; o Ômega 3, encontrado em peixes de águas frias e profundas, que tem uma ação anti-inflamatória. Pode usar linhaça, azeite de oliva extra virgem, vinho tinto, que também tem o chamado resveratrol.

Outro alimento que pode ser incluído na dieta é a Curcumina, que estudos comprovaram que bloqueia células cancerígenas”.

Segundo Alexander, o excesso de carnes vermelhas não é recomendado para quem quer prevenir o câncer de próstata. Outro fator importante é que também devemos ter uma alimentação pobre em embutidos, como bacon e linguiça; presunto; frituras; alimentos industrializados e açucares. Além de bons hábitos alimentares, fazer exercícios físicos e não fumar estão entre as recomendações para evitar o mal.

Publicidade