13 de maio de 2021 Atualizado 07:35

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

Especialista tira as principais dúvidas sobre remoção de tatuagem

Com o avanço da medicina, já é possível remover a tatuagem de forma segura para a saúde da pele

Por Redação

05 mar 2021 às 08:48

Atualmente, existem três tratamentos mais utilizados - Foto: Divulgação

Foi-se o tempo que fazer tatuagem era algo predominantemente masculino ou comum só entre algumas tribos urbanas, como motociclistas e roqueiros. Hoje em dia, a tatuagem se tornou um acessório e está cada vez mais comum fazer desenhos que tenham um significado associado ao estilo de vida, gostos pessoais e até situações específicas, como o nascimento de um filho.

Mas, assim como ficou mais fácil fazer uma tattoo, também aumentou o número de pessoas arrependidas e que buscam a remoção de algo feito no impulso. Felizmente, com o avanço da medicina, já é possível remover a tatuagem de forma segura para a saúde da pele.

Atualmente, existem três tratamentos mais utilizados: Laser, Dermoabrasão e Cirurgia Plástica. Entre eles, o mais comum é o Laser, por ter uma grande eficácia e ser menos invasivo que a cirurgia, por exemplo. E, apesar de não ser um procedimento tão novo, a remoção de tattoo é sempre um assunto carregado de dúvidas.

“A remoção de tatuagem é um avanço muito positivo para a medicina já que é totalmente compreensível que todos temos fases da vida em que algumas coisas podem não fazer mais sentido E remover essa marca vai além de só apagar um desenho, é algo que impacta diretamente na autoestima do paciente que não vê mais significado naquela escolha. Só reforço que o procedimento precisa ser feito com profissionais qualificados para a segurança do paciente”, diz Eduardo Kanashiro.

Por isso, o CEO da Academia da Pele, Eduardo Kanashiro, reuniu as principais questões que envolvem o procedimento:

Doi?
O incômodo varia de acordo com a região, tamanho e cores do desenho, bem como da sensibilidade de cada um. Mas a boa notícia é que existem maneiras de diminuir a dor, como com a aplicação de anestesia – tanto tópica quanto injetável. Em alguns casos, também pode ser utilizada a chamada sedação consciente com óxido nitroso, um gás que deixa a pessoa mais relaxada e menos incomodada.

Quantas sessões são necessárias?
Essa é a pergunta campeã entre os pacientes que optam pela remoção de tatuagem. Não existe uma regra, pois o tamanho e as cores influenciam muito nesse processo. Mas costuma-se partir de um mínimo de oito sessões. Uma informação importante é: as aplicações precisam de intervalos que variam de 30 a 60 dias, por isso, dependendo do tamanho do desenho, a remoção completa pode levar até dois anos.

Todo mundo pode fazer?
Não, nem todos. Gestantes e lactantes, nunca podem. Outras contraindicações estão ligadas a doenças e tipos de pele, como problemas de cicatrização.

Pode ser feita em qualquer época do ano?
Poder, até pode, mas a região não deve ser exposta ao sol nas duas semanas seguintes ao procedimento. Por isso, dependendo do estilo de vida e até da profissão do paciente, não recomendo começar esse processo no verão.

Existe algum preparo para antes e depois das aplicações?
Sim. Para o antes, é fundamental que a tattoo esteja bem cicatrizada e com a pele da região bem hidratada. O laser também não pode ser feito em peles queimadas do sol. No pós, além de não expor a região ao sol, como falamos, a conduta mais comum é indicar pomadas para ajudar na cicatrização e compressa de gelo no local. Também não é indicado usar roupas ou acessórios que causem atritos na região pelos primeiros 15 dias.

Publicidade