12 de maio de 2021 Atualizado 21:56

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Bem-Estar

Entenda a importância da vacinação contra a gripe

A vacinação contra influenza sofre atualizações anuais e deve ser mantida mesmo em tempos de pandemia

Por Redação

18 abr 2021 às 10:21

A vacinação é um serviço essencial e que deve ser mantido mesmo em tempos de pandemia - Foto: Frauke Riether - Pixabay

A gripe é uma infecção viral respiratória aguda e altamente contagiosa, podendo levar a complicações graves e ao óbito. A doença pode afetar indivíduos de todas as idades, sendo facilmente transmitida através da tosse, espirro e contato próximo com uma pessoa ou superfície contaminada. Os sintomas da gripe incluem febre/calafrios, tosse, dor de garganta, nariz entupido, dores musculares, dores de cabeça e fadiga.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), hospitalizações e óbitos ocorrem principalmente entre os grupos de alto risco – compostos por crianças menores de 5 anos, gestantes, portadores de doenças crônicas e idosos. Em todo o mundo, estima-se que epidemias anuais resultem em cerca de 3 a 5 milhões de casos de doença grave e cerca de 290 mil a 650 mil óbitos.

No resfriado, os sintomas, apesar de parecidos e comumente confundidos com os da gripe, são mais brandos e duram menos tempo. Neste caso, também se trata de uma doença respiratória, mas causada por vírus diferentes, como os rinovírus, os vírus parainfluenza e o vírus sincicial respiratório, que geralmente acomete crianças.

Importância da vacinação
A vacinação é a melhor medida de prevenção, de redução de complicações graves e de redução de óbitos relacionados a esta doença. Anualmente, a OMS emite recomendações sobre a composição das vacinas contra influenza, tanto para o hemisfério norte quanto para o hemisfério sul. Emersom Mesquita, infectologista e gerente médico de vacinas da GSK, explica a importância e o motivo dessas recomendações.

“Como acontece com outros vírus, o vírus influenza sofre pequenas modificações durante o processo de multiplicação. Na prática, essas modificações são uma forma de escapar à resposta imunológica gerada com a vacinação. Por este motivo, a OMS emite todos os anos recomendações para a composição das vacinas contra gripe. O objetivo destas recomendações é atualizar a composição dos imunizantes para acompanhar as modificações do vírus. Fica claro, assim, o motivo pelo qual a vacinação contra gripe deve ser realizada anualmente. Além disso, vale destacar também que a vacinação anual permite que a concentração de anticorpos, as moléculas protetoras do sistema imune, atinjam concentrações ideais”, explica Emersom.

Mito sobre vacinação
Um dos maiores mitos sobre a vacinação contra gripe é o de que a vacina causa a doença. Contudo, esclarece o infectologista isso não é possível. “O que impede que a vacina seja capaz de causar a doença é o fato desta ser composta por vírus inativado, ou seja, vírus que tiveram seu potencial de multiplicação eliminado. Na prática, algumas reações relacionadas à vacinação, como dor de cabeça e dor muscular, por exemplo, podem ser erroneamente confundidas com a gripe”, pontua o infectologista Emersom Mesquita.

Vacinação contra gripe no contexto atual

Atualizada anualmente para proteger contra as cepas dos vírus influenza de maior circulação, a vacinação contra a gripe é um serviço essencial e deve ser mantido mesmo em tempos de pandemia, como alerta o infectologista Emersom Mesquita.

“O momento único que atravessamos deixa claro a importância da vacinação para o controle das doenças infecciosas. Apesar disso, nos últimos anos, temos observado uma queda importante nas coberturas vacinais, dificultando o controle de doenças no nível populacional. Por isso, precisamos ratificar que a vacinação é um serviço essencial e que deve ser mantido mesmo em tempos de pandemia. Neste sentido, a importância de trazermos a vacinação contra gripe neste momento é que a gripe é uma doença que possui sazonalidade, ou seja, uma doença em que a maior parte dos casos está concentrada em um período específico do ano. Por isso a importância do timing de vacinação, ou seja, garantir a vacinação antes que esse período conhecido de aumento dos casos chegue”, explica Emersom.

A vacina trivalente fornecida gratuitamente pelo Ministério da Saúde nos postos de saúde de todo Brasil tem como público-alvo: indivíduos a partir de 60 anos de idade ou mais; crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade; gestantes; mulheres até 45 dias após o parto; profissionais da saúde; professores de escolas e universidades públicas e privadas; povos indígenas; pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais; pessoas com deficiência permanente; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário; trabalhadores portuários; forças de segurança e salvamento; forças armadas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; e funcionários do sistema prisional.

Além da vacinação, outras formas de prevenção da gripe incluem manter hábitos de higiene, como lavar bem e com frequência as mãos com água e sabão, e cobrir a boca e o nariz com lenço descartável ao tossir ou espirrar.

A importância da vacina da gripe para os diabéticos

O assunto que é destaque há semanas é o coronavírus, porém não podemos deixar de falar da importância da vacina da gripe para os idosos e, principalmente, para aqueles que apresentam o diagnóstico de diabetes.

O diabetes mellitus é uma condição que, assim como muitas outras, requer alguns cuidados especiais. Pessoas que possuem a doença têm cerca de três vezes mais chances de falecer com gripe ou pneumonia. Este risco pode ser muito reduzido por meio da vacinação periódica.

Segundo um estudo norte americano publicado na Hum Vaccin Immunother em 2018, a vacina contra a gripe é um método muito eficaz para os diabéticos, pois reduz o risco de hospitalização e mortalidade em pacientes com mais de 65 anos.

A recomendação da OMS é que os idosos fiquem em casa e procurem não sair, pois são o grupo de mais alto risco. Os diabéticos ainda mais, porque eles apresentam alto risco de desenvolver pneumonia grave após a gripe e apresentar alguns dos sintomas do coronavírus ou de gripe forte, que pode ser fatal.

Segundo a clínica geral Denise Duarte Iezzi, os diabéticos que apresentam insulina maior que 180 e hemoglobina glicada maior que 7 devem se atentar as recomendações da OMS, porque mostram variáveis que interferem e podem acabar diminuindo a imunidade e aumentando a exposição ao vírus

“Em uma situação normal, os diabéticos já devem, com certeza, serem vacinados contra a gripe, mas diante do momento de pandemia que estamos vivendo, é muito mais importante a vacinação. Com a prevenção da gripe, diminui o número de testes de Covid-19, porque também existe uma redução nos sintomas sobreponíveis da gripe que podem ser confundidos com o do coronavírus”, afirma a clínica geral.

Para ela, a vacinação é muito indicada. “Sabemos que é natural com o passar dos anos que a imunidade humana diminua, porém, nos diabéticos é um pouco pior, por conta da elevação de açúcar no sangue e, também, porque eles estão mais vulneráveis a grandes infecções”, finaliza Denise.

Publicidade