10 de maio de 2021 Atualizado 20:01

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Transplante de pelos

Barba torna-se ferramenta de resgate da autoestima masculina

O transplante de pelos, sobretudo de cabelos e barba, está na lista entre os procedimentos estáticos mais procurados

Por Dino Divulgador de Notícias

09 abr 2021 às 07:22

Usar ou não barba é uma tendência que ao longo dos séculos mostrou-se oscilante. O mundo vive um período de alta dessa moda. Basta ver, por exemplo, o aumento expressivo no número de barbearias e produtos cosméticos específicos.

Neste cenário, o transplante de barba caiu feito uma luva, estabelecendo-se como um aliado para aqueles que não têm a sorte de contar com barbas cheias naturalmente. A sensação de se livrar de falhas ou ausência de fios e, de quebra, ostentar uma barba de respeito, é a conquista de um sonho para muitos homens.

Brasil ultrapassou os Estados Unidos e tornou-se líder entre os países que mais realizam procedimentos estéticos – Foto: Divulgação

A biologia explica o vai e vem. Há um princípio ligado à teoria da evolução, segundo o qual a atratividade de um indivíduo não se deve apenas ao seu fenótipo (características físicas observáveis), mas ao fenótipo do grupo. Os humanos têm como característica particular o fato de que podem, culturalmente, alterar a forma como se apresentam no mundo, adotando ou deixando de adotar modas. Neste caso, também contando com uma arma poderosa: o transplante de barba.

De acordo com uma pesquisa recente divulgada pela ISAPS – Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética, o Brasil ultrapassou os Estados Unidos e tornou-se líder entre os países que mais realizam procedimentos estéticos.

O transplante de pelos, sobretudo de cabelos e barba, está na lista entre os procedimentos mais procurados. Conforme dados da Associação Brasileira de Cirurgia da Restauração Capilar – ABCRC, homens que optam pelo transplante de barba buscam melhora na autoestima e na autoconfiança, impactando positiva e diretamente as relações sociais e o desempenho profissional.

A decisão pelo transplante de barba traz consigo dúvidas inevitáveis. Nesse sentido, entre as mais frequentes estão: dá resultado? Qualquer um pode fazer? Existem contraindicações? De onde vem o pelo transplantado? Deixa cicatriz? Quantas sessões são necessárias? Os pelos implantados podem cair? O procedimento é doloroso?

Pode parecer um processo complexo, mas de fato a somatória de fatores como técnicas avançadas, a experiência e a perícia do cirurgião, bem como as condições estruturais seguras para a realização do procedimento, garantem o bom resultado e a consequente satisfação do paciente.

No transplante de barba, o nível de satisfação aumenta consideravelmente quando a cirurgia é realizada por meio da associação da técnica FUE com a técnica DNI, desenvolvida pelo especialista Mauro Speranzini.

A clínica Speranzini recomenda o transplante de barba a partir dos 20 anos. “Não há limite de idade para a realização do transplante de barba, desde que o paciente reúna boas condições de saúde e tenha área doadora no pescoço, couro cabeludo ou outras partes do corpo para o preenchimento desejado”, explica Mauro.

A eficácia da técnica, aliada à perícia do cirurgião, faz com que os resultados sejam percebidos nos primeiros dias após a cirurgia. O resultado final ocorre entre o 5º e o 6º mês, já que os pelos transplantados caem nas semanas seguintes ao procedimento e, voltam a crescer depois de três ou quatro meses. A cirurgia é realizada com anestesia local e sedação leve. O paciente tem alta no mesmo dia e o pós-operatório, via de regra, não apresenta complicações.

Publicidade