25 de outubro de 2021 Atualizado 23:35

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Tóquio-2021

Thiago Paulino desabafa após ter ouro retirado: ‘a pancada foi muito forte’

Horas depois ganhar o 1º lugar, brasileiro teve arremessos invalidados e ficou só com o bronze

Por Agência Estado

04 set 2021 às 14:45 • Última atualização 04 set 2021 às 17:04

Thiago Paulino terminou a prova do arremesso de peso da classe F57 (cadeirantes com lesão na coluna) como medalhista de ouro da Paralimpíada de Tóquio-2021. No entanto, horas depois, uma apelação da China fez com que as duas tentativas do brasileiro que superaram o chinês Guoshan Wu fossem consideradas inválidas, levando o brasileiro a ficar com a medalha de bronze.

Thiago Paulino teve arremessos desclassificados após protesto da China – Foto: Takuma Matsushita / CPB

Até agora, o Comitê Paralímpico Internacional (IPC) não revelou qual foi o teor da apelação chinesa ou qual foi a infração encontrada. O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) pediu acesso ao vídeo no qual teria sido identificado o motivo para considerar as tentativas de Paulino inválidas, mas foi negado. Ainda assim, o CPB tentou recurso, que não foi aceito. O órgão brasileiro disse ter analisado as imagens e não ter encontrado qual seria a infração.

Na prova, Thiago foi o último a arremessar. Na primeira tentativa, a única considerada válida, ele marcou 14,77m, marca que lhe daria o bronze. No arremesso seguinte, marcou 15,10m, superando o chinês Wu, que havia marcado 15m, e anotando novo recorde paralímpico. O terceiro arremesso foi para 15,05m, enquanto o quarto e o quinto foram considerados inválidos já no momento da prova e o brasileiro escolheu não fazer o sexto, afinal, já tinha a medalha de ouro garantida.

“Como nada em minha vida nunca foi fácil, mais uma vez levei um golpe e muito forte! Não encontramos irregularidades em meus arremessos, mas de alguma forma a organização encontrou. Por isso a medalha de ouro, que considero ser nossa, do Brasil, por direito, não está em nossas mãos”, escreveu Thiago nas redes sociais. Na cerimônia do pódio, o brasileiro demonstrou muita contrariedade, com o polegar para baixo, mexendo a cabeça em sinal de não, além de protestar erguendo o punho. O ouro ficou com o chinês e a prata com o também brasileiro Marco Aurélio Borges.

“Não é fácil, a pancada foi muito forte, mas em respeito a todos vocês que torceram muito por mim e todos que me apoiam, vou continuar na caminhada, pisando ainda mais forte. Não é sobre o quanto você bate, mas sobre o quanto você aguenta apanhar”, completou, citando o filme Rocky Balboa. O atleta ainda prometeu publicar um vídeo explicando o que teria acontecido e definindo como ‘um dia lamentável para o esporte paralímpico’.

Publicidade