21 de outubro de 2020 Atualizado 15:41

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Futebol

Presidente da Fifa é suspeito de tentar interferir para interromper investigação

Por Agência Estado

28 abr 2020 às 10:28 • Última atualização 28 abr 2020 às 13:00

Documentos vazados continuam a fazer estragos na imagem de alguns protagonistas do futebol. Um dos visados tem sido o próprio presidente da Fifa, o suíço Gianni Infantino, que voltou às manchetes. Isso porque o dirigente é suspeito de tentar interferir para interromper uma investigação realizada pela Justiça da Suíça.

O caso remonta a abril de 2016. Pouco depois de Infantino ter sido eleito para a presidência da Fifa, o gabinete do procurador-geral suíço iniciou uma investigação sobre a concessão de um contrato de direitos televisivos a uma empresa “offshore”, quando o dirigente era o principal advogado da Uefa, organismo que comanda o futebol europeu.

Preocupado com este procedimento das autoridades – que já tinham realizado buscas na sede da Uefa, em Nyon, na Suíça -, Infantino escreveu ao procurador suíço Rinaldo Arnold, um antigo amigo de infância. “Vou tentar explicar ao OAG (procurador-geral) que é do meu interesse que tudo seja esclarecido o mais rapidamente possível e que seja afirmado claramente que não tenho nada a ver com esse assunto”, referiu em um dos emails.

Em resposta, Arnold, que já tinha intermediado uma primeira reunião entre Infantino e o procurador-geral Michael Lauber, em março de 2016, prontificou-se novamente a acompanhar o presidente da Fifa. “O importante é a reunião daqui a duas semanas. Se quiser, posso ir contigo novamente”. O encontro ocorreu em 22 de abril de 2016, em Zurique, e o que lá se passou permanece “um mistério”.

OUTRO LADO – A Fifa, em um comunicado oficial divulgado na noite de segunda-feira, afirmou que o conteúdo do e-mail particular de Infantino para “um amigo próximo” havia sido “completamente retirado do contexto com o único objetivo de enganar o leitor”. A correspondência foi obtida por “hackers, o que é ilegal e se trata de um ato criminoso”, segundo a entidade.

“Não apenas Infantino não tinha nenhum motivo para mentir nesse email, mas esse email nunca indicou que Infantino queria ‘limpar seu nome'”, acrescentou a nota oficial. Para o organismo, “é uma mentira clara e absoluta, cujo único objetivo era manchar a reputação de Infantino”. A Fifa voltou a explicar que as reuniões entre Infantino e o Ministério Público visavam mostrar que a federação “estava pronta para colaborar com a Justiça suíça”.

Publicidade