Novo secretário-executivo do Ministério Esporte comandava a cultura de Roraima


Marcos Jorge de Lima, de 36 anos, deu um grande salto na carreira política. Secretário de Cultura de Roraima, o presidente estadual do PRB-RR foi nomeado nesta terça-feira pela presidente Dilma Rousseff para ser o secretário-executivo do Ministério do Esporte no lugar de Ricardo Leyser (PCdoB-SP), exonerado também nesta terça.

Os antigos responsáveis pelo cargo (Leyser, e antes dele Luis Fernandes) cumpriam o papel de interlocutores do governo federal na organização da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos do Rio-2016 e a tendência é que Marcos Jorge faça o mesmo.

De acordo com o site de Partido Republicano Brasileiro, Marcos Jorge é o “presidente estadual mais longínquo” do PRB, no cargo em Roraima desde 2007. Nas eleições do ano passado, o PRB-RR fez três deputados estaduais e um federal – Jhonatan de Jesus.

O agora número 2 do esporte no governo Dilma Rousseff até um ano atrás era superintendente da Pesca e Aquicultura de Roraima. Em janeiro, ele assumiu como secretário de Cultura do governo de Roraima, cargo que ele ocupava até agora.

Quando questionado, em agosto, pelo site do PRB, sobre “quem é Marcos Jorge?”, respondeu assim: “Sou administrador e mestrando em Tecnologia da Informação. Sou casado com Ana Rafaela Hermogens e pais de três filhos. Sou um idealista, acima de tudo, e uma pessoa que não se contenta com o pouco e que sempre procura fazer o melhor”.

Com a chegada de Marcos Jorge, o PRB finaliza a ocupação dos cargos de alto escalão do Ministério do Esporte. Exonerado nesta terça, Leyser era o braço do governo na pasta desde que a mesma foi assumida pelo PRB na reforma ministerial do início do segundo mandato de Dilma, após 12 anos nas mãos do PCdoB. O antigo ministro do Esporte, Aldo Rebelo, foi para a Ciência e Tecnologia, e depois para a Defesa, levando com ele o então secretário-executivo Luis Fernandes.

O posto ficou com Leyser, que até então era secretário de esporte de alto rendimento e comandava a preparação esportiva do Brasil para os Jogos Olímpicos do Rio. Inicialmente ele acertou a contratação de Ricardo Trade, ex-CEO da Copa, que ficou poucos dias no alto rendimento antes de assumir como CEO da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV).

Sem Trade, Hilton entregou a secretaria para Carlos Geraldo, presidente do PRB de Pernambuco e ex-presidente da Record News. A secretaria de Educação, Lazer e Inclusão Social, antes sob o comando de Carlos Geraldo, foi herdada por Evandro Grela, ex-deputado distrital pelo PRB-DF.

A outra secretaria de primeiro escalão, a de Futebol e Defesa dos Direitos dos Torcedores, foi entregue a outro membro do PRB, Rogerio Hamam, restando com Leyser a única cadeira ainda ligada ao governo e não atrelada ao PRB. Agora, o posto é de Marcos Jorge.

Leyser começou a trabalhar com os governos do PT ainda na gestão Marta Suplicy na prefeitura de São Paulo, entre 2001 e 2003, quando coordenou a Fórmula 1. Desde então, estava no Ministério do Esporte, tendo comandado a preparação para os Jogos Pan-Americanos e, depois, para a Olimpíada.

O agora ex-secretário foi procurado pela Agência Estado ao longo de todo o dia nesta terça-feira, mas não respondeu aos telefonemas. No mês passado ele visitou a redação do Grupo Estado e afirmou que gostaria de deixar o governo após os Jogos Olímpicos. Até lá, tinha uma missão a cumprir.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora