29 de setembro de 2020 Atualizado 20:15

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Esporte

Ministério Público do Acre pede para goleiro Bruno usar tornozeleira eletrônica

Por Agência Estado

03 ago 2020 às 16:20 • Última atualização 04 ago 2020 às 14:40

O goleiro Bruno poderá usar tornozeleira eletrônica em seus jogos pelo Rio Branco-AC. O pedido foi feito, neste domingo, pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC) junto à Justiça do Acre. O atleta cumpre pena em regime semiaberto.

A solicitação foi do promotor de justiça Tales Fonseca Tranin, da 4ª Promotoria Criminal de Execução Penal e Fiscalização de Presídio. “Aqui a regra é que todo reeducando que está no regime semiaberto use a tornozeleira eletrônica. Não seria diferente. Está aqui no estado cumprindo semiaberto, porquê não seria? Vale para todos”, disse o promotor.

Se o pedido for acatado pela Justiça, Bruno vai ter de usar a tornozeleira durante os jogos e treinamentos. Os custos pela compra e manutenção do equipamento vão ser do o Rio Branco-AC.

“Como o Bruno é a profissão dele, eu tô pedindo para que o Rio Branco-AC, que é o empregador, arque com os custos se houver os danos. Porque também não é justo o estado ficar pagando a tornozeleira toda vez que estragar, porque vai ficar levando porrada de bola. O pedido é esse”, afirmou Tales Tranin.

Além da tornozeleira, Bruno também terá de ficar no CT do clube, onde mora, após às 18 horas durante a semana e, aos domingos e feriados nacionais, não poderá sair. Se os jogos acontecerem domingo ou à noite, ele vai precisar de autorização da Justiça.

Bruno se apresentou ao técnico João Mota na quinta-feira passada, treinou na sexta e nesta segunda. O Rio Branco-AC vai disputar o segundo turno do Campeonato Acreano, o Campeonato Brasileiro da Série D e a Copa Verde.

Bruno, de 35 anos, foi condenado pela Justiça a mais de 20 anos de prisão pelo sequestro, assassinato e ocultação de cadáver da ex-namorada e modelo Eliza Samudio, ocorrido em 2010. Nesse momento, ele cumpre sua pena no regime semiaberto.

O goleiro tenta retomar a carreira, mas por enquanto teve apenas passagens curtas no futebol. No início deste ano, o Operário-MT desistiu da contratação de Bruno após protestos de torcedores. O mesmo já havia acontecido com o Fluminense de Feira.

Ainda em 2014, o Montes Claros, então na segunda divisão de Minas Gerais, contratou Bruno. No entanto, o goleiro ainda cumpria pena em regime fechado e não pôde atuar.

Já em 2017, após habeas corpus, Bruno acertou com o Boa Esporte Clube e chegou a realizar cinco partidas antes de voltar para a prisão. Em 2019, atuou por meio tempo pelo Poços de Caldas.

Publicidade