Santos lembra de Rodrygo e cobra STJD por liberação de vascaíno da seleção sub-17


Depois de polêmica envolvendo Rodrygo, vendido ao Real Madrid, o Santos reclamou de “clara contradição” do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que liberou Talles, convocado pela seleção sub-17, para jogar pelo Vasco no clássico deste sábado contra o Flamengo. Em junho, o STJD tomou decisão diferente em relação a Rodrygo, que estava convocado para o selecionado sub-23, mas não teve efeito suspensivo e ficou de fora de compromissos santistas.

Na manhã deste sábado, o Vasco conseguiu a liberação junto ao STJD e poderá utilizar Talles no jogo disputado às 19 horas, no Mané Garrincha, apesar de o jovem estar convocado para a seleção sub-17.

Depois da convocação, o clube anunciou que não liberaria o atleta. A seleção, porém, não o desconvocou, o que tiraria sua condição de jogo e deixaria a agremiação carioca passível de punição se escalasse o jogador. Entretanto, a direção entrou com recurso e conseguiu o efeito suspensivo.

No caso de Rodrygo, o Santos usou os mesmos recursos que o clube vascaíno, mas não obteve sucesso. A equipe santista, então, ficou desfalcada do atacante na partida contra o Atlético-MG, pela Copa do Brasil. A promessa também não pôde ir a campo no clássico diante do Corinthians, pelo Brasileirão, no que seria sua despedida do clube praiano antes da ida ao Real Madrid.

Após a liberação de Talles, o time paulista resolveu cobrar o tribunal em função do “evidente juízo de valor”. Em nota oficial, o Santos disse que “não teve o mérito analisado, apesar de o recurso ter sido solicitado com antecedência”.

O atleta vascaíno também não foi desconvocado, mas o presidente do STJD, Paulo César Salomão Filho, concedeu efeito suspensivo. Como justificativa para o pedido, o clube carioca alegou que CBF não cumpriu o prazo mínimo de 15 dias de antecedência da convocação e nem respondeu ao pedido formal de desconvocação. O Vasco afirmou ainda que não é obrigado a ceder o atleta, já que a seleção de Talles não ocorreu em data Fifa.

O Santos, então, cobrou um posicionamento do tribunal. Segundo a agremiação paulista, houve “diferente tratamento”, que beneficiou o Vasco e, à época, prejudicou o clube praiano. Os comandados de Jorge Sampaoli acabaram eliminados da Copa do Brasil pelo Atlético-MG em jogo em que Rodrygo não pôde atuar.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora