Sampaoli promete Atlético-MG ofensivo e quer bater de frente com o Flamengo


Em sua apresentação oficial no Atlético Mineiro, nesta segunda-feira, ao lado do presidente Sérgio Sette Câmara, o técnico Jorge Sampaoli afirmou que pretende transformar o clube em uma equipe que possa gerar entusiasmo e tenha força para bater de frente com o Flamengo.

“Viemos com o objetivo de brigar com times como o Flamengo, que tem uma equipe rica, um treinador muito capaz, tem reinado na América. É um exemplo que temos de imitar um pouco”, afirmou o argentino. “A cada vez que o Atlético jogar, em qualquer lugar, quero que as pessoas tenham entusiasmo para ver. Esse é nosso compromisso.”

Sampaoli disse que vai trabalhar para fazer o time desempenhar o mais rápido possível o que ele entende ser o ideal para o futebol. Segundo o argentino, após acompanhar o clássico com o Cruzeiro, no último domingo, o Atlético está muito aquém do que pode jogar.

“Avaliei muito as características dos jogadores e há uma diferença do que se pode apresentar e do que está apresentando. Precisamos impor uma cultura de jogo que atacamos o tempo todo, não importa o time adversário, o estádio, que o Atlético jogue sempre com entusiasmo. Vi no clássico muito nervosismo, muita luta e pouco jogo”, afirmou Sampaoli.

O resultado pelo menos satisfez o técnico. “Era muito importante ganhar o clássico. Mantém viva a possibilidade de competir pelo Campeonato Mineiro. A euforia da arquibancada passa para o campo. O Atlético, com minhas características, vai ser um time de ataque, sem nenhum tipo de medo. Isso é o que me identifica”, disse o treinador. “A ideia principal é encontrar uma cultura de jogo que nos permita dominar os jogos.”

O treinador confia que até o início do Campeonato Brasileiro, em maio, vai mudar o estilo da equipe e também o ambiente. Segundo Sampaoli, o elenco está abalado pelas eliminações neste começo de temporada. O Atlético caiu na Copa Sul-Americana e na Copa do Brasil.

“O elenco está um pouco frustrado pelo início de ano, então agora temos de buscar maneiras de fortalecer o grupo para que saiba lidar com esta pressão e para que possa prevalecer o estilo, esta cultura de jogo ofensivo”, explicou. “Vamos construir, no pouco tempo que temos, um elenco extremamente ambicioso. Aqui, temos de buscar um futebol que faça com que o time se identifique com a torcida. Que fique bem claro o que somos e o que queremos.”

Na entrevista, Sampaoli explicou ainda o acerto com o Atlético após recusar em um primeiro momento. Segundo ele, foi uma decisão pessoal sem relação com o clube. “Quando terminou o Brasileirão no Santos, eu tive conversas com times brasileiros e de outros lugares do mundo. A exigência do ano passado foi bem dura para mim e, naquele momento, eu não fiquei entusiasmado. Naquele momento, achei que o melhor não era aceitar. Depois, o Atlético conversou de novo e agora estava mais preparado para assumir uma instituição tao grande, que está muito machucada. Naquela época eu não me sentia capaz, agora sim”, discursou.

O técnico afirmou ainda que vai avaliar o elenco e que poderá pedir contratações ou promover dispensas, desde que entenda que o jogador não se encaixe na nova filosofia. “Jogador que vestir essa camisa vai ter que respeitá-la e tratar este clube como um grande do futebol brasileiro. Aqui passaram jogadores de muita história e qualidade. Temos que estar à altura. Assim, o processo vai caminhar”, afirmou Sampaoli. “A obrigatoriedade de resultado gera instabilidade. É um desafio. Tratarei, com minha experiência, fazer diretoria e torcida andarem juntos”, encerrou.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora