Rússia e Arábia Saudita abrem Copa do Mundo com cara de decisão

As duas equipes precisam também vencer a desconfiança de seus torcedores


O primeiro jogo da Copa do Mundo já tem cara de decisão – Rússia e Arábia Saudita entram em campo às 12 horas (de Brasília), no estádio Lujniki, em Moscou, e devem partir para o ataque. Isso porque russos e árabes sabem que Uruguai e Egito são os favoritos para as duas vagas nas oitavas de final da competição pelo Grupo A – uma derrota na estreia poderá acabar com qualquer chance de classificação. A partida será apitada pelo argentino Néstor Pitana e poderá ser a primeira a utilizar o Árbitro Assistente de Vídeo (VAR, na sigla em inglês) no torneio.

Além de terem a pior colocação no ranking da Fifa no Mundial, as duas equipes precisam também vencer a desconfiança de seus torcedores. Sem vitórias há sete partidas, a Rússia – cuja melhor participação em Copas foi o 18.º lugar em 1994, nos Estados Unidos – pede uma chance de mostrar ao torcedor que a equipe pode avançar para as oitavas.

Foto: Facebook_FIFA World Cup / Reprodução
Copa do Mundo começa nesta quinta-feira com jogo entre a Rússia e Arábia Saudita

“Sabemos que nós representamos um povo, uma nação que se preparou para essa festa. E nós também nos preparamos muito para chegar até aqui. Agora é a hora de nos unirmos e entregarmos o nosso melhor dentro de campo”, avaliou o técnico Stanislav Cherchesov.

Ele deverá mandar a campo como titular o lateral-direito brasileiro Mário Fernandes, que no Brasil teve boas passagens por São Caetano e Grêmio e hoje, naturalizado russo, atua no CSKA Moscou. “Queremos que a torcida venha para o jogo e nos ajude a vencer. Que seja feita uma grande festa e que a gente consiga um bom resultado”, afirmou o treinador. Um dos mais experientes do time, o meia Aleksander Samedov, foi direto. “Nós vamos vencer o jogo”, garantiu o atleta de 33 anos.

O técnico da Arábia Saudita, o argentino naturalizado espanhol Juan Antonio Pizzi, afirmou que a sua equipe tentará manter a posse de bola no duelo de estreia. “O meu estilo de competir é aproveitar cada momento com a bola, cada situação, e tratar de me impor mediante a tomar a iniciativa, que se consegue por meio da posse de bola”.

“Cada rival tem características diferentes. Vamos tomar a iniciativa contra a Rússia, tratando de encontrar seus defeitos e barrar suas virtudes. Nossa grande ambição neste difícil grupo é a Rússia. Só depois desse jogo é que vamos saber quais são nossos verdadeiros objetivos”, disse Juan Antonio Pizzi, que nas Eliminatórias Sul-Americanas dirigiu a seleção do Chile – a qual que não conseguiu se classificar para o Mundial de 2018.

Osama Hawsani, capitão da Arábia Saudita, vai pelo mesmo caminho de seu treinador. Ele acredita em uma vitória de seu time. “Temos de fazer tudo o que está em nosso alcance para vencer. Não é impossível”, acredita. “Estamos concentrados e sabemos que vamos jogar contra a força da torcida do time anfitrião da Copa. Mas agradecemos a Deus a oportunidade de participar deste grande campeonato”.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!