Na Argentina, Corinthians terá de ser ousado para superar Racing na Sul-Americana

Acostumado a adotar uma postura "reativa", esperando a ação do rival para buscar o contra-ataque, o Corinthians terá de sair…


Acostumado a adotar uma postura “reativa”, esperando a ação do rival para buscar o contra-ataque, o Corinthians terá de sair para o jogo para fazer pelo menos um gol nesta quarta-feira na Argentina. Precisa vencer o Racing – melhor argentino da temporada e que está próximo de ser campeão nacional -, jogando no estádio Presidente Perón, em Avellaneda (região metropolitana de Buenos Aires). Tudo isso com um time em formação, ainda à procura da melhor escalação. Esse é o desafio para a equipe do técnico Fábio Carille passar à segunda fase da Copa Sul-Americana, às 21h30 (de Brasília).

A vaga também pode ser conquistada com um empate, mas o time precisa fazer dois ou mais gols. Empate por 1 a 1 – mesmo resultado do jogo de ida – leva a decisão para os pênaltis. Igualdade sem gols dá a vaga aos argentinos. “O Racing vem com uma equipe parecida com a que jogou no Brasil e demonstrou que é um time que trata bem a bola, com uma ideia de futebol definida, e que será muito complicada”, disse o atacante argentino Mauro Boselli.

A necessidade de fazer gols pode levar o treinador a apostar no atacante, que vem sendo reserva, para fazer dupla com Gustavo. Nesse caso, a principal jogada seria a bola aérea. O meia equatoriano Sornoza tem se mostrado eficiente nos cruzamentos e faz a torcida esquecer momentaneamente Jadson, que se recupera de dores no joelho. Diante do Botafogo, pelo Campeonato Paulista, a dupla Boselli/Gustavo funcionou e resolveu um jogo difícil.

No meio, Fábio Carille não poderá contar com Junior Urso, que não foi contratado a tempo de ser inscrito na Copa Sul-Americana. Ramiro deve atuar em seu lugar, mas terá a função de se aproximar dos atacantes.

NA HISTÓRIA – Nesta quarta-feira, Cássio vai se igualar a Gylmar dos Santos Neves como o segundo goleiro que mais vezes defendeu o time, com 395 jogos cada um. O recordista é Ronaldo, com 602. “Vou continuar trabalhando para melhorar minhas marcas, mas tenho de pensar no dia a dia”.

O goleiro afirma que pode se tornar o recordista. “Dá. Acredito que sim. Somos movidos por desafios, metas, quebrar barreiras. Mas agora é pensar em fazer um grande ano e ir jogo a jogo”, afirmou Cássio.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!