Médicos da Ponte Preta adotam cautela antes da volta de Rafael Longuine


Rafael Longuine completa nesta quinta-feira a marca de dois meses da última lesão sofrida, defendendo as cores da Ponte Preta. Ainda fora da lista de relacionados, o meio-campista foi diagnosticado com edema ao redor do tendão do músculo reto femoral da coxa direita, especificamente na fibrose cicatricial, e está no período de transição. Ele se machucara na vitória sobre o Cuiabá, por 3 a 1, na Arena Pantanal, pela Série B do Campeonato Brasileiro.

O departamento médico, todavia, adota extrema cautela antes de liberá-lo à comissão técnica. Pela reincidência da contusão, Roberto Nishimura, chefe do setor, abraça a paciência para que a recuperação seja total e evite novos problemas no futuro.

A temporada do atleta 29 anos soma mais tempo em tratamento do que dentro de campo – três jogos e dois gols pelo time campineiro. Emprestado pelo Santos até o final da Série B, Longuine desembarcou em Campinas já lesionado.

Na pré-temporada realizada na Baixada Santista sob comando de Jorge Sampaoli, ele sofreu lesão de grau 1 no músculo anterior da coxa direita, com previsão de recuperação de duas semanas, e ficou fora do amistoso diante do Corinthians, em Itaquera.

O retorno aos gramados demorou mais do que o planejado: só voltaria a ser relacionado em 24 de fevereiro, no empate frente o Ituano, no estádio Moisés Lucarelli – na ocasião, não saiu do banco de reservas por opção do treinador.

O drama aumentaria na semana antecedente ao duelo contra o Botafogo-SP, pelo Campeonato Paulista, no carnaval: incômodo na coxa direita e o mesmo problema dos tempos de Santos. Na época, inclusive, era cogitado a ser escalado como titular.

A reabilitação, no entanto, foi ainda mais longa, estreando oficialmente em 17 de maio, quando entrou no intervalo e fez o gol da vitória em cima do Operário, nos acréscimos.

URGÊNCIA – Apesar da cautela, a volta de Longuine é tida como vital pela reabilitação da Ponte Preta, haja vista o bom desempenho na segunda quinzena de maio. Sem vencer há quatro jogos e com três derrotas consecutivas na Série B, algo inédito nos últimos 18 meses, o time campineiro perdeu força ofensiva depois da parada da Copa América: média de um gol/jogo contra 1,5 até junho, considerando oito rodadas.

Pressionada e a três pontos do G-4, mas com Jorginho garantido no comando, a equipe volta a campo no sábado, diante do São Bento, às 16h30, no Estádio Walter Ribeiro. Depois de viajar a Sorocaba, o time alvinegro se concentra para reencontrar o rival Guarani, em 11 de agosto (domingo), em casa, às 11h.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora