Inter bate Cruzeiro por 3 a 0 e pegará Athletico em final


O torcedor do Internacional teve uma quarta-feira especial, ao festejar a classificação do seu time para a final da Copa do Brasil, ao bater o Cruzeiro por 3 a 0, no Beira-Rio, e ver seu arquirrival Grêmio ser eliminado pelo Athletico-PR, em Curitiba.

Nesta quinta-feira, na sede da CBF, será realizado o sorteio para se saber onde serão os dois jogos da decisão. A partida de ida será no próximo dia 11 e a de volta dia 18.

Campeão em 1992, o Inter vai em busca de seu segundo título na Copa do Brasil. O time também foi finalista em 2009. O Athletico-PR chega pela segunda vez à decisão. Na primeira, em 2013, perdeu para o Flamengo.

Já o Cruzeiro, agora eliminado, sofreu também nesta quarta a sua primeira derrota sob o comando do técnico Rogério Ceni, que recentemente assumiu o lugar do demitido Mano Menezes e acumulou duas vitórias e um empate em três jogos à frente da equipe no Campeonato Brasileiro.

Os primeiros 15 minutos foram eletrizantes e esquentaram os mais de 45 mil torcedores que enfrentaram um frio de 10ºC em Porto Alegre. As equipes se revezaram na criação de boas oportunidades. Cada lado poderia ter feito pelo menos dois gols. Logo a um minuto, Pedro Rocha forçou Marcelo Lomba a fazer bela defesa. Aos 15, Victor Cuesta por muito pouco não acertou o ângulo esquerdo de Fábio, após lindo chute cruzado de fora da área.

Com o passar do tempo, o ritmo diminuiu. O Cruzeiro ficou mais com a bola (teve 59% de posso) e levou grande perigo para Marcelo Lomba, aos 33 minutos, quando Thiago Neves buscou o canto direito, mas errou por muito pouco.

O que o técnico Rogério Ceni não esperava era por um erro na saída de bola do zagueiro Dedé, aos 39 minutos. O ataque estrangeiro do Inter não perdoou. O uruguaio Nico López lançou o argentino D’Alessandro pela direita, que cruzou na cabeça do peruano Guerreiro. O centroavante não desperdiçou e encerrou um jejum de 489 minutos sem gols. Foi o 12º dele no ano.

O Cruzeiro voltou surpreendentemente apático para o segundo tempo. O jogo ficou do jeito que o Internacional gosta. O time gaúcho cansou de ter contra-ataques, o problema foi a falta de velocidade de Guerrero e D’Alessandro.

Com liberdade para trocar passes, o Inter foi encurralando o Cruzeiro. Aos 24, Nico López mostrou categoria para encontrar Guerrero livre na lateral da área. O atacante matou no peito e bateu sem deixar a bola quicar no gramado: 2 a 0.

Dai para frente, o Inter recuou para iniciar a marcação em seu campo e deixou a bola com o desmotivado Cruzeiro, que não teve inspiração e nem iniciativa para buscar qualquer tipo de reação.

Mas ainda havia tempo para o gol mais bonito da noite. Com o Cruzeiro totalmente desmantelado, Victor Cuesta lançou Edenilson, que partiu do campo defensivo e, ao chegar diante de Fábio, esbanjou categoria, ao tocar por cobertura de fora da área: 3 a 0.

FICHA TÉCNICA

INTERNACIONAL 3 X 0 CRUZEIRO

INTERNACIONAL – Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Víctor Cuesta e Uendel (Sarrafiore); Rodrigo Lindoso, Edenilson, Patrick e D’Alessandro (Rafael Sobis); Nico López (Nonato) e Paolo Guerrero. Técnico: Odair Hellmann.

CRUZEIRO – Fábio; Jadson, Dedé (Ariel Cabral), Fabrício Bruno e Dodô; Henrique, Robinho (Éderson), Thiago Neves e Marquinhos Gabriel; David e Pedro Rocha (Fred). Técnico: Rogério Ceni.

GOLS – Guerrero, aos 39 minutos do primeiro tempo e aos 24 do segundo. Edenilson, aos 43 do segundo.

ÁRBITRO – Flávio Rodrigues de Souza (SP).

RENDA – R$ 2.369.469,00.

PÚBLICO – 41.768 pagantes (45.768 presentes).

LOCAL – Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS).

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora