Garoto realiza sonho em treino profissional

Vindo do Mato Grosso para treinar em escola, Gidean passa por atividade com goleiros do Rio Branco


O sonho de dez em cada dez garotos que querem ser jogadores de futebol é poder sentir de perto a sensação de jogar ao lado de atletas profissionais. Para o jovem Gidean Luiz, de 16 anos, o sonho veio ao seu encontro.

A convite do LIBERAL, o aluno da Escola de Goleiros Camisa 1 – que completa dez anos em novembro – teve a oportunidade de treinar por um dia no Rio Branco, ao lado dos já conhecidos Cleber Alves, Vinicius Pontello e Roberto.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
Gidean passou pelo mesmo trabalho que os goleiros do elenco do Rio Branco
Natural de Lambari d’Oeste (MT), Gidean encarou os mais de 1,8 mil quilômetros que separam sua cidade de Americana para continuar lutando pelo sonho de se profissionalizar, após experiências frustradas em clubes do Mato Grosso, além de Red Bull e Lemense, em São Paulo.

“Depois que fui para o Lemense e vi que não era nada do que tinham me prometido, sentei na minha casa e pensei no que podia fazer. Foi aí que liguei para o Vander (Batistela, idealizador da escola) e pedi uma chance”, lembra. “Para mim, poder treinar com os profissionais é uma experiência muito importante”, completa o jovem.

Ao pisar no gramado do estádio Décio Vitta pela primeira vez, o garoto, ainda tímido, foi surpreendido com uma picada de abelha, antes mesmo de colocar seu uniforme. O susto só aumentou sua ansiedade para participar da atividade comandada pelo preparador de goleiros do Rio Branco, William Stein.

Quando o sonho enfim virou realidade, os goleiros do Tigre trataram de deixar o garoto numa roda de “bobinho”, numa espécie de batizado de sua experiência, antes de iniciar o treinamento.

Foto: João Carlos Nascimento / O Liberal
Goleiro Gidean espera por oportunidade em algum clube profissional
“Quem está começando tem que confiar em Deus, estudar, que é importante, e se dedicar bastante. A disciplina é muito importante para quem quer ser goleiro”, ensina Stein. Com boas noções e fundamentos, Gidean ganhou elogios de Cleber Alves, que lembra como se fosse hoje de seu começo no futebol profissional.

“No começo ele ficou um pouco ansioso por estar treinando junto. É diferente se adaptar com a filosofia de trabalho do futebol profissional, mas ele se saiu muito bem. Assim como ele, eu comecei a treinar no profissional desde pequeno, com 14 anos, e foi muito bom, pois pude amadurecer mais cedo”, recorda.

Ao término da experiência, o garoto saiu mais otimista com seu futuro no futebol, ainda que esteja ciente de que apenas uma minoria dos garotos de sua idade de fato se tornarão jogadores profissionais. O sonho de criança de Gidean Luiz virou coisa de gente grande.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora