Empresas se especializam em fornecer orientação financeira a jogadores de futebol

Além do técnico, do preparador físico e do agente, o jogador de futebol tem agora um outro profissional para auxiliá-lo:…


Além do técnico, do preparador físico e do agente, o jogador de futebol tem agora um outro profissional para auxiliá-lo: o assessor de investimento. São profissionais de empresas e consultorias especializadas em atender as finanças pessoais dos atletas. Essa turma passou a tomar conta do bolso do jogador, de modo a sugerir corte de gastos, compras de imóveis, organizar sua contabilidade e verificar contratos atuais para garantir que os bons salários de hoje representem uma vida confortável no futuro, quando o atleta estiver no fim de carreira ou já aposentado – geralmente perto dos 35 anos.

O vínculo do jogador com o profissional que vai cuidar de suas finanças vai além de acompanhar o saldo do cartão de crédito e aplicações. Quem contrata o serviço dessas empresas pode pedir para um funcionário preparar sua mudança de cidade, por exemplo, ao procurar o imóvel planejado, assim como criar um mapeamento das comodidades no novo bairro e das melhores escolas para os filhos.

O lateral-esquerdo Mansur, do São Bento, passou a contar com esse serviço no ano passado. Após abrir suas contas, o atleta descobriu que poderia deixar de desperdiçar dinheiro. “Eu tinha cartões de crédito e contas abertas em vários bancos. Tinha em Salvador, Belo Horizonte, Curitiba e Aracaju. Decidi acabar com isso. Coloquei tudo em uma mesma agência e reduzi o gasto”, contou.

Mansur disse ter mudado de opinião após conversar com o consultor sobre investimentos. Em vez da tradicional escolha por imóveis, ele descobriu um novo ramo. “Não adianta só comprar apartamento. A gente se muda muito de cidade e gastaria muito com reformas. Passei a conhecer opções de investimento fora do banco, algo que nunca tinha ouvido falar”, diz.

O jogador é um dos cerca de 120 clientes da assessoria Planner, criada em 2018 pelo meia Tiago Real, da Ponte Preta, junto com seus sócios. O grupo atende desde atletas que ganham menos de R$ 10 mil por mês até nomes com vencimentos próximos a R$ 1 milhão.

Durante o trabalho, a empresa encontrou casos de jogadores com faturas de cartão de crédito no valor de R$ 800 mil, falta de recursos para pagar as pensões de ex-mulheres, excesso de gasto com carros e desperdício com fretamento de avião para visitas de parentes.

Para cada um desses casos, a empresa procura propor soluções simples e ensinar o cliente a colocar na ponta do lápis todos os gastos. “A maioria dos atletas precisa de ajuda e tem de ser alarmado. O futebol consome o jogador, e ele esquece de pensar no futuro”, explica Tiago Real. Uma das sócias dele, a gestora de risco Sandra Ganzert, é a responsável por apresentar ao atleta os planos financeiros que combinam com sua condição. Entre os clientes, estão Jailson, do Palmeiras, Hudson, do São Paulo, e Fábio Santos, do Atlético-MG.

Sandra conta que considera a atuação da empresa importante também para os clubes, principalmente quando se trata de ajudar na mudança de cidade do jogador. “A estimativa é que atleta leve 45 dias para se instalar numa cidade com a família. Esse período é devastador para o clube. Por isso, é bom ter ajuda. O jogador só precisa se preocupar com o futebol”, afirma.

AUXÍLIO – O ramo de assessorias especializadas em ajudar jogadores começou a se fixar no mercado há menos de dez anos. Está crescendo. Segundo pessoas ouvidas pelo Estado, o cliente pode remunerar o consultor de três formas: porcentagem sobre o total do patrimônio administrado, comissão sobre cada um dos serviços realizados e um valor fixo por mês, que costuma ser de até R$ 5 mil.

Uma das primeiras empresas na área foi a Redoma Capital, criada há sete anos, e que teve no início das operações a participação dos jogadores Paulo André e William Machado, que atualmente trabalha em outro projeto semelhante. O diretor executivo da empresa, Henning Sandtfoss, administra hoje as finanças de 40 clientes, dos quais cerca de metade joga no exterior.

Na opinião dele, se por um lado os jogadores ganham bons salários e em moedas estrangeiras, eles são os responsáveis por sustentar várias pessoas da família. Tem mais. Por serem famosos, viram alvo de golpes.

“O atleta quando vai contratar um serviço ou comprar um bem, ele é explorado. A pessoa costuma ver do outro lado um cifrão (na sua testa), e não um cliente comum. Por isso a gente blinda o atleta e faz as negociações. Ele não aparece. Qualquer coisa que um atleta tentar comprar será mais caro só porque ele é atleta”, diz o executivo.

Embora os casos de desperdício sejam numerosos, o empresário considera que há um cenário de mudança, com mais informação para os jogadores procurarem uma educação financeira e evitar repetir histórias ruins de colegas de outras gerações.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora