Carisma: Afrânio foi o elo da equipe

Treinador falecido em 1996, após acidente de trânsito, uniu jogadores rumo ao acesso e deixou marca na história; viúva traz lembranças da conquista


Falecido há 23 anos, o treinador Afrânio Riul vai deixar para sempre uma marca na história do Rio Branco. Na base do carisma, ele foi o responsável por unir os jogadores rumo ao acesso para a primeira divisão estadual, em 1990.

Foto: Arquivo Pessoal
Vera Riul com uma foto de Afrânio; ele passou duas vezes pelo Tigre e morreu em 1996

“Ele tinha um carisma especial com os jogadores, fazia um bom trabalho psicológico, era muito querido pela equipe que ele formava”, conta a viúva de Afrânio, Vera Riul, de 58 anos.

O técnico morreu em 14 de julho de 1996, após um acidente de carro em Ribeirão Preto, cidade onde residia. Ele estava com 47 anos.

O velório, à época, aconteceu na Câmara de Ribeirão. Como forma de homenagem, seu caixão ficou coberto pelas bandeiras de Botafogo de Ribeirão Preto, Comercial e Bragantino, clubes em que ele trabalhou.

“Apesar do choque, foi muita emoção. Ele foi muito homenageado quando faleceu. Ele foi velado no salão nobre da Câmara Municipal. Foi o caminhão de bombeiros que levou”, conta Vera.

Seis anos antes, Afrânio havia ajudado o Tigre a subir de patamar, para a elite do futebol paulista. Aquela conquista também o alavancou, tanto é que, em 1994, ele chegou a treinar o Corinthians. “Ele começou a se firmar como técnico vencedor”, afirma Vera.

Foto: Arquivo / Claudio Gioria
Afrânio Riul morreu em acidente de carro em 1996, aos 47 anos

No Rio Branco, o técnico era querido pelos jogadores e criou uma identidade com a torcida, que marcava presença até em treinos. “Era um cara muito gente fina, um cara muito legal com a gente. Conduziu o grupo com uma amizade muito boa”, lembra o ex-meia Waguinho Dias.

Listen to "#8 - O Rio Branco de 90 às vésperas dos 30" on Spreaker.

Afrânio tinha proximidade, principalmente, com o ex-zagueiro Edson Fumaça. Os dois moravam próximos em Ribeirão Preto. “Não era nem técnico. Era amigo, pai”, destaca o ex-atleta, que costumava pegar carona com o treinador.

O técnico teve duas passagens pelo Rio Branco e dirigiu o time em 133 jogos, com 66 vitórias, 36 empates e 31 derrotas.

Clique aqui e confira as fichas técnicas de todos os jogos do Rio Branco na campanha do acesso

Quem também já se foi:  

Membros da diretoria e do elenco que faleceram desde a campanha do vice-campeonato de 1990

Foto: Arquivo / Claudio Gioria
Neco Mendes

Neco Mendes
Manoel Mendes era o diretor que cuidava do estádio e figura ligada ao esporte de Americana por décadas. Morreu no dia 3 de junho de 2007, aos 77 anos, após duas semanas internado com quadro de pneumonia. Sofria de Alzheimer.

Foto: Arquivo / Claudio Gioria
Marquinhos Sartore

Marquinhos Sartore
Era o terceiro goleiro. Comprou seu passe junto ao Bragantino em maio de 1990 e o emprestou ao Rio Branco, mas não chegou a entrar em campo na campanha do acesso. Já havia defendido o clube nos anos 80. Depois, foi treinador de goleiros e técnico do Rio Branco. Tinha 48 anos quando capotou o carro que dirigia na SP-304, em 29 de novembro de 2012.

Foto: Arquivo / Claudio Gioria
Sidnei Poli

Sidnei Polli
Ex-goleiro de Corinthians e Guarani, era o treinador de goleiros. Morreu aos 58 anos vítima de hepatite crônica, em 8 de janeiro de 2000, em Campinas.

Foto: Arquivo / Claudio Gioria
Minão Vitta

Minão Vitta
Vice-presidente de futebol em 1990, morreu aos 52 anos, em 9 de junho de 2000, quando capotou o Santana que dirigia ao bater em um ciclista que atravessava a Anhanguera perto do acesso ao Iate Clube de Campinas. Também morreram no acidente o ciclista, José Marcos da Silva, e o aposentado Artêmio Luchesi, que estava com Minão no carro.

Foto: Arquivo / Claudio Gioria
Pedro Francischangelis

Pedrão Sadia
Pedro Francischangelis era diretor de futebol, cargo que já havia ocupado várias vezes ao longo dos anos 80 e que voltou a exercer depois do acesso. Tinha 52 anos e passava férias em Itanhaém com a família quando sentiu-se mal em 29 de dezembro de 2004. Não resistiu a um ataque cardíaco. Era irmão do narrador Jota Júnior.

Foto: Arquivo / Claudio Gioria
Zé Zazeri

Zé Zazeri
Outro diretor de futebol à época, o ex-vereador e ex-vice-prefeito em Americana José Antonio Zazeri morreu aos 71 anos, em 16 de outubro de 2016, um dia após passar por uma cirurgia cardíaca de emergência em Americana.

Veja todas as reportagens do especial ‘Histórias de quem fez o auge’

– Passo a passo da campanha: plano começou um ano antes
– Acesso lançou Macedo para o cenário nacional
– Gilson veio para jogar e se tornou morador
– Os dois funcionários que seguem por aqui
– Goleiro reserva chegou ao topo do mundo em 2002
– Camisa 1 trava batalha contra o câncer há 6 anos
– Elenco do Tigre ‘formou’ técnicos
– Ex-jogadores se aventuram em outras áreas
– Preparador Fred Smania virou braço direito de Picerni
– Carisma: Afrânio foi o elo da equipe

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora