Bruno Henrique depõe por três horas por causa de carteira de motorista falsa


Bruno Henrique, atacante do Flamengo, depôs durante três horas na 16.ª Delegacia de Polícia, na Barra da Tijuca, nesta quinta-feira à tarde, sobre a carteira de motorista falsa que apresentou em uma blitz no mês passado. O atleta não deu entrevistas na saída.

Segundo um laudo dos peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli, o documento e o número da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) do jogador eram falsos. “O Bruno apresentou a carteira de boa fé. Os detalhes da investigação não podemos dar no momento”, disse o advogado Ricardo Pieri. Além do advogado, Bruno Henrique foi à delegacia acompanhado do vice-jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee.

Caso seja indiciado por uso de documento falso, Bruno Henrique poderá ser condenado a cumprir uma pena de até 6 anos de reclusão.

Na madrugada do dia 29 de fevereiro, o atacante foi parado em uma blitz da Lei Seca, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. O jogador se recusou a fazer o teste do bafômetro e apresentou a carteira, que não continha dados no sistema de informática do Detran do Rio.

Na quarta-feira, Bruno Henrique foi um dos destaques do Flamengo na vitória, por 3 a 0, sobre o Barcelona de Guayaquil, no Maracanã, pela segunda rodada do Grupo A da Copa Libertadores. Ele fez o terceiro gol do jogo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora