Brasil recebe Mundial Sub-17 de futebol e vai em busca do tetra


Tricampeão da Mundial Sub-17 de futebol em 1997, 1999 e 2003, a seleção brasileira masculina começa neste sábado a luta pelo seu quinto título na 18ª edição da competição, que será disputada no País – as cidades de Goiânia, Brasília e Cariacica receberão os 52 jogos da competição, que termina no dia 17 de novembro. Após uma queda de braço entre a Confederação Brasileira de Futebol e os clubes por conta da liberação dos atletas para o torneio, o atacante Talles Magno, do Vasco, será o maior destaque do Brasil.

A disputa entre CBF e clubes terminou com saldo positivo para a seleção. Somente um jogador da lista inicial não disputará o Mundial por não ter sido liberado: o meia-atacante Reinier, do Flamengo. Pedro Lucas, do Grêmio, foi chamado em seu lugar.

O coordenador das seleções de base, o ex-jogador Branco, reclamou do não cumprimento de um “acordo de cavalheiros”. O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, disse ter cedido outros três jogadores para a seleção sub-17 e gostaria de um prazo maior para a liberação de Reinier, pois o time rubro-negro estava com muitos desfalques.

O atacante Talles Magno, do Vasco, que também poderia ficar fora, se apresentou normalmente e é o principal jogador do time brasileiro. O técnico da equipe de São Januário, Vanderlei Luxemburgo, não fez objeção para sua liberação.

DISPUTA – A disputa entre Flamengo e CBF na base não vem de hoje. Na edição do Mundial Sub-17 de 2017, o clube não liberou Vinicius Junior para o torneio que ocorreu na Índia. Por causa de episódios como esses, a confederação planeja pedir à Fifa, na próxima reunião do Conselho da entidade, que inclua como Data Fifa as competições sub-20 e sub-17. Assim, as equipes seriam obrigadas e ceder seus jogadores.

Atualmente, os times não têm de liberar os atletas para os torneios de base, mesmo quando eles são organizados pela Fifa. A disputa acaba prejudicando os garotos. Eles vivem o impasse entre atuar pelo time principal de seus clubes ou ganhar experiência em torneios pela seleção brasileira.

Reinier teria ficado chateado por não poder servir o Brasil, mas teve de cumprir a determinação do clube. Curiosamente, no primeiro jogo pelo rubro-negro após a não apresentação, ele marcou no fim da partida o gol da vitória do time sobre o Fortaleza por 2 a 1 pelo Campeonato Brasileiro. As outras equipes do País que tiveram jogadores convocados ficarão desfalcadas por pouco mais de um mês – eles se apresentaram no último dia 7 para os treinos em Teresópolis e a final do Mundial está marcada para 17 de novembro.

A ausência de protagonistas não é exclusividade da seleção brasileira. O espanhol Ansu Fati, considerado a principal promessa da base mundial, ficou fora da lista do sub-17 do país que o naturalizou – ele nasceu em Guiné-Bissau. A justificativa dos coordenadores foi de que o garoto será aproveitado pela seleção principal da Espanha.

O jogador está na base do Barcelona desde os dez anos e se tornou o mais jovem atleta a entrar em campo pelo time principal e também a fazer um gol. Sua estreia ocorreu em agosto, quando ainda tinha 16 anos, com direito a gol no empate por 1 a 1 do Barça com o Osasuna.

EXPERIÊNCIA – O grupo formado pelo técnico Guilherme Dalla Déa, apesar da idade, tem certo entrosamento e experiência em jogar junto. Dos 21 convocados, 12 disputaram o Sul-Americano Sub-15 em 2017. O Brasil terminou com o vice da competição ao perder a decisão para a Argentina por 3 a 2. O destaque daquela equipe era justamente Reinier. Kaio Jorge, atacante do Santos, que está na lista do sub-17, também fez um bom torneio, com direito aos dois gols brasileiros na partida final.

A preparação para o Mundial foi feita em Teresópolis. A seleção brasileira está no Grupo A e estreia no torneio contra o Canadá, neste sábado, no Bezerrão, em Gama, Distrito Federal. Depois, encara a Nova Zelândia dia 29 no mesmo estádio e encerra a primeira fase no estádio Olímpico, em Goiânia, diante de Angola, no dia 1º de novembro.

ESTÁDIOS – O Bezerrão, no Gama, cidade-satélite de Brasília; o Kleber Andrade, em Cariacica, e o Estádio Olímpico e o Serrinha, ambos em Goiânia, serão os palcos do Mundial. O Mané Garrincha, em Brasília, um dos estádios da Copa de 2014, apesar de estar na região, ficou fora.

A justificativa da Fifa é utilizar as competições de base para dar visibilidade a locais que normalmente não recebem partidas de grandes eventos. Outro ponto é que, ao optar por esses estádios, a competição também não irá interferir no Campeonato Brasileiro. Como comparação, o Mundial Sub-20 da Polônia, disputado entre os meses de maio e junho deste ano, não utilizou nenhum estádio que sediou jogos da Eurocopa de 2012.

Todos os estádios que serão utilizados no Mundial Sub-17 passaram por reformas recentemente. O Kleber Andrade, por exemplo, ganhou placar eletrônico e terá gramado híbrido (parte grama natural, parte grama sintética). O Bezerrão, palco da abertura e da final, também terá parte do gramado sintético e reformou os bancos de reservas, ganhou numeração em todos os assentos, melhorias na iluminação, adaptação do alambrado em volta do campo, além de outras demandas exigidas pela Fifa.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora