Atlético-MG pega Nacional e volta ao Uruguai para nova ‘decisão’ na Libertadores

Em busca de uma necessária reabilitação na Copa Libertadores, o Atlético Mineiro voltará nesta terça-feira a um terreno bem conhecido.…


Em busca de uma necessária reabilitação na Copa Libertadores, o Atlético Mineiro voltará nesta terça-feira a um terreno bem conhecido. Pela terceira vez nesta edição do torneio continental, o time vai atuar em Montevidéu, desta vez contra o tradicional Nacional do Uruguai, às 21h30, pela segunda rodada do Grupo E. E, como nos confrontos anteriores, esse também será decisivo.

Sexto colocado no Campeonato Brasileiro de 2018, o Atlético-MG precisou começar a sua trajetória na Libertadores ainda pelas fases preliminares. O time teve dois adversários uruguaios pela frente, o Danubio e o Defensor, tendo eliminados ambos e sem deixar Montevidéu derrotado.

O time empatou por 2 a 2 com o Danubio e superou o Defensor por 2 a 0, depois assegurando a passagem de fase. E ampliar essa invencibilidade no Uruguai é fundamental para o Atlético-MG não ficar em situação ainda mais complicada na fase de grupos.

“Espero alguma coisa parecida com os jogos que fizemos no Uruguai. Espero um jogo físico, com cuidados na parte defensiva e bola aérea. São as principais características de Libertadores”, prevê o técnico Levir Culpi.

Na última quarta-feira, em partida que marcou a volta da equipe ao Mineirão, o Atlético-MG foi surpreendido ao perder para o Cerro Porteño. Para aumentar o risco ao time, o Nacional do Uruguai superou o Zamora na Venezuela por 1 a 0 no outro jogo da rodada inicial do Grupo E. Assim, uma derrota em Montevidéu pode levar o time a ficar a seis pontos dos dois primeiros colocados da chave com apenas duas rodadas disputadas.

A necessidade de, ao menos, pontuar no Uruguai não levará, porém, Levir a alterar o esquema tático para o confronto com o Nacional, alvo de críticas de parte da torcida. O Atlético-MG vai seguir com uma formação com três volantes de origem, dando mais liberdade a Elias para chegar ao campo de ataque. Com isso, o colombiano Chará continuará sendo opção no banco de reservas.

Ainda assim, Levir se viu forçado a realizar uma mudança na escalação. O volante Adílson recebeu o terceiro cartão amarelo na derrota para o Cerro. E, suspenso, terá a sua vaga ocupada por José Welison, que não pôde atuar contra o time paraguaio por também estar cumprindo gancho, pela expulsão na segunda partida contra o Defensor.

Como vem sendo recorrente desde a sua estreia na Libertadores, o Atlético deu descanso aos seus titulares no fim de semana, no Campeonato Mineiro, com exceção a José Welison. Mas ainda assim conseguiu manter a liderança da competição ao bater o Patrocinense por 1 a 0.

O cenário para o Nacional é praticamente oposto. O time até começou a Libertadores com vitória na Venezuela, graças ao gol marcado pelo argentino Gonzalo Bergessio, mas ainda não venceu no Torneio Apertura uruguaio, com três empates e uma derrota nas quatro rodadas iniciais – a última dessas igualdades foi no fim de semana, quando ficou no 2 a 2 com o modesto Boston River, ainda que sem ter utilizado a maioria dos titulares.

Com isso, está em um decepcionante 11ª posição, o que provoca cobranças ao técnico Eduardo Domínguez e pode deixar um clima de tensão para o tricampeão da Libertadores no confronto com o Atlético, algo que o time mineiro poderá aproveitar para não entrar em crise e aumentar o risco de uma eliminação precoce na Libertadores.

“A gente sabe da força do futebol uruguaio, da sua tradição, então temos que pregar todo o respeito. Ainda mais quando se trata de uma equipe da grandeza do Nacional, que é uma das principais daqui do Uruguai. É pregar o respeito, mas também saber daquilo que a gente pode fazer para conseguir o resultado positivo”, diz o goleiro Victor.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!