26 de outubro de 2021 Atualizado 20:32

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

EXPERIÊNCIA

Dinâmica da Camisa 1 simula ambiente de futebol profissional

Escola realizou uma atividade com competições, entrevistas coletivas, narração ao vivo, torcedores e clima de decisão

Por Rodrigo Alonso

27 set 2021 às 21:00

A Escola de Goleiros Camisa 1, de Americana, realizou nesta segunda-feira (27) uma dinâmica que simula um ambiente de futebol profissional, com direito a competições, entrevistas coletivas, narração ao vivo, torcedores no alambrado e clima de decisão.

Houve duas cinco disputas ao longo do dia. No período da manhã, a equipe Cruzeiro venceu na categoria Menores, enquanto a Colômbia conquistou o título da Maiores. À tarde, teve outros três campeões: K.A.U.A. FC, na Menores; Íbis, na Intermediários; e Sapeco, na Maiores.

Alunos conversavam com uma imprensa fictícia após os jogos – Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal

Os jogos, no entanto, representavam só uma parte da atividade, que reuniu 95 garotos de 7 a 17 anos. A competitividade estava, sim, nos planos da Camisa 1. No entanto, o maior objetivo da escola era preparar os meninos para a vida, segundo o diretor Vander Batistella.

“Estamos acostumados a fazer dinâmicas que insiram o jovem num contexto diferente, num contexto que eles possam aprender a se expressar, aprender a desenvolver liderança”, disse.

Após as partidas, jogadores davam entrevista na saída do gramado. Eles falavam ao microfone e eram filmados por um celular.

Depois do campeonato, campeões e vice-campeões concediam entrevista coletiva em um cenário com um banner ao fundo, sentados em uma cadeira. À frente deles, havia uma legião de repórteres fictícios, que faziam perguntas que se encaixam na realidade de atletas profissionais. A maioria delas envolvia polêmicas fictícias.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Para Batistella, situações como essa podem ajudar os alunos, por exemplo, a apresentar um trabalho em sala de aula. “Esse desenvolvimento é importantíssimo nessa idade, para eles perderem esse medo, perderem a insegurança e, é claro, aprenderem com tudo isso”, afirmou.

O LIBERAL no seu e-mail: se inscreva na nossa newsletter

Narrador mirim
Alguns jogos também contavam com um narrador. Posicionado à beira do campo, Carlos Eduardo Santiago, de 9 anos, descrevia os lances, gritava gol e chamava atenção por sua espontaneidade.

Carlos Eduardo Santiago atuou como narrador em alguns jogos – Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal

Ao LIBERAL, o menino, que treina na Escola de Goleiros, disse ter um carinho pela narração esportiva. “Quando eu estava jogando, comecei a narrar e pensei que era bom para mim”, contou.

Publicidade