23 de janeiro de 2022 Atualizado 17:33

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

TIRO AO PRATO

Artur vence etapa final do Brasileiro e assume a ponta no ranking nacional

Atirador americanense foi campeão no Rio de Janeiro e chegou ao topo da modalidade Fossa Olímpica

Por Rodrigo Alonso

29 nov 2021 às 17:48

Artur Fortunato esteve acompanhado do treinador Athos Pisoni na capital carioca – Foto: Divulgação

O americanense Artur Fortunato, de 24 anos, chegou ao topo do tiro esportivo nacional, na modalidade Fossa Olímpica. Ele foi o campeão da etapa final do Campeonato Brasileiro neste domingo (28), no Rio de Janeiro, e assumiu a liderança do ranking nacional.

“É uma forma de retribuição por todo o esforço que a gente coloca o ano inteiro”, disse o atleta ao LIBERAL.

Na fase classificatória, ele teve o terceiro melhor desempenho, ao acertar 116 de 125 pratos. Depois, na decisão, quebrou 42 de 50, um a mais que o segundo colocado Roberto Schimits, do Rio Grande do Sul. Artur era o único paulista na final, que reúne os seis melhores das eliminatórias.

Com o resultado, o americanense pulou do segundo para o primeiro lugar no Ranking Qualidade, que lista os melhores atiradores da atualidade no Brasil. Essa classificação serve como parâmetro para formação da Seleção Brasileira.

Artur apontou que, ao representar o País em competições internacionais, terá mais chances de qualificação para as Olimpíadas de Paris-2024.

“Estando em primeiro no ranking, é um dos jeitos de ser convocado e ter a oportunidade de disputar essas provas. Então, é um esforço importante, mas a gente precisa estar num nível de competir com o pessoal lá fora”, afirmou o atirador, que é treinado pelo avô Athos Pisoni, medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1975.

O americanense também citou os obstáculos impostos pela pandemia do coronavírus (Covid-19), que provocou o cancelamento de provas e, praticamente, apagou a temporada 2020 do calendário.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

“Mesmo com todas essas dificuldades, a gente conseguiu treinar, fazer o que precisava ser feito, e os resultados são fruto disso. Ainda tem muito para ser trabalhado nesse caminho que a gente está buscando até as Olimpíadas de 2024, mas acho que esses são indicadores de que estamos indo na direção correta”, declarou.

Publicidade