18 de julho de 2024 Atualizado 22:35

Notícias em Americana e região

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Brasileirão

Corinthians supera Vitória com brilho de Garro e gol salvador no fim, mas continua no Z4

Atacante Giovane, de Santa Bárbara d'Oeste, marcou o gol que garantiu o triunfo por 3 a 2 do Timão nesta quinta

Por Agência Estado

04 de julho de 2024, às 22h28 • Última atualização em 04 de julho de 2024, às 22h46

Com enorme dose de sofrimento e gol nos acréscimos, o Corinthians superou o Vitória por 3 a 2, nesta quinta-feira, na Neo Química Arena, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. O duelo colocou frente a frente duas equipes que brigam contra a zona de rebaixamento, ainda que os baianos estejam fora do Z-4. Os corintianos venciam sem brilhantismo e entregaram a vantagem em um pênalti no final, mas foram salvos pelo garoto Giovane, natural de Santa Bárbara d’Oeste.

O começo do jogo mostrou que a disputa entre as equipes seria principalmente física, com divididas fortes no meio de campo. O Corinthians tinha dificuldade na saída e abusava de lançamentos para Wesley, que foi quem descolou a primeira situação próxima do gol. Na frente, Yuri Alberto pareceu diminuir entre os zagueiros da equipe baiana e ficou escondido no jogo.

Giovane marcou o gol da vitória do Timão – Foto: Peter Leone / O Fotográfico / Estadão Conteúdo

Com Pedro Henrique e Igor Coronado, opções do interino Raphael Laruccia, o time conseguia, ao menos, ocupar mais espaços que o Vitória. Apesar de o time tocar a bola por mais de um minuto, o placar foi aberto mais por mérito individual de Rodrigo Garro do que desempenho coletivo. O camisa 10 recebeu de frente para o gol e bateu rasteiro de fora da área, colocando o time paulista na frente.

O gol fez inicialmente com que o Vitória se fechasse mais. A equipe paulista, contudo, não demonstrou mais ímpeto em buscar ampliar. Pelo contrário, em bola alçada na área, Gustavo Henrique e Cacá “bateram cabeça” e deixaram Alerrandro livre para empatar.

Garro mostrou, mais uma vez, ser diferente quando a bola sobrou para ele, no final do primeiro tempo, após um escanteio. O argentino acertou um voleio endereçado ao gol do Vitória. O camisa 10 puxa o protagonismo no momento em que o Corinthians ainda não tem “cara” taticamente e passará pela segunda tentativa de caracterização na temporada, com novo técnico.

A segunda etapa não trouxe grandes novidades, apesar das tentativas de Carpini em tornar o Vitória mais ofensivo, com as entradas de Janderson e Zé Hugo. O time teve dificuldades em encontrar espaços.

Pelo lado corintiano, foram pouquíssimas as vezes de novos ataques. Em uma delas, Wesley preferiu tentar driblar dois defensores a tocar para Yuri Alberto, livre. A torcida presente na Neo Química Arena ficou, com razão, na bronca com o garoto.

O sofrimento corintiano parecia ser amenizado com a vitória parcial. Leo Maná, porém, abriu o braço dentro da área e interceptou um ataque do Vitória. Na cobrança de pênalti, Alerrandro igualou o placar novamente. Isso dava ao Corinthians gosto de derrota no empate.

A equipe lançou-se ao ataque como não fez em toda segunda etapa. Em escanteio, Garro levantou e a bola sobrou para Giovane. O atacante de 20 anos aliviou a agonia de 37 mil corintianos.

Os três pontos permitem que o Corinthians respire, mas a equipe continua na zona de rebaixamento, com 12 pontos, na 17ª posição. Logo acima vem o próprio Vitória, em 16º, com a mesma pontuação, mas com um triunfo a mais. No domingo, o time paulista visita o Cruzeiro, às 16h, no Mineirão. O Vitória recebe o Criciúma, na mesma data, no Barradão, mas às 18h30.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 3 x 2 VITÓRIA

CORINTHIANS – Matheus Donelli; Matheuzinho, Gustavo Henrique, Cacá e Hugo; Raniele (Leo Maná), Rodrigo Garro e Igor Coronado (Matheus Araújo); Pedro Henrique (Ángel Romero), Wesley (Ryan) e Yuri Alberto (Giovane). Técnico: Raphael Laruccia (interino).

VITÓRIA – Lucas Arcanjo; Willean Lepo, Caio Vinícius (Raúl Cáceres), Wagner Leonardo e PK (Janderson); Willian Oliveira, Luan Santos (Dudu), Jean Mota (Zé Hugo) e Matheusinho; Lucas Esteves e Alerrandro. Técnico: Thiago Carpini.

GOLS – Rodrigo Garro, aos 25 e aos 42, e Alerrandro, aos 36 minutos do primeiro tempo; Alerrandro, aos 40, e Giovane, aos 49 do segundo.

ÁRBITRO – Gustavo Ervino Bauermann (SC).

CARTÕES AMARELOS – Igor Coronado, Yuri Alberto, Cacá e Gustavo Henrique (Coprinthians); Caio Vinícius, Dudu e Wagner Leonardo (Vitória).

PÚBLICO – 37.956 presentes.

RENDA – R$ 2.096.669.00.

LOCAL – Neo Química Arena, em São Paulo (SP).

Publicidade