29 de setembro de 2020 Atualizado 22:58

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Esporte

Conmebol apresenta novas normas para os clubes na Libertadores e Sul-Americana

Por Agência Estado

06 ago 2020 às 14:46 • Última atualização 06 ago 2020 às 16:08

A Conmebol apresentou, nesta quinta-feira, novas normas a serem seguidas pelos clubes que vão participar do retorno da Copa Libertadores (a partir de 15 de setembro) e da Copa Sul-Americana (27 de outubro).

Um novo protocolo com o título de “Concentração em Saúde” autoriza a entrada das delegações nos países da América do Sul, sob rígidas normas sanitárias, por 72 horas para cada jogo a ser disputado. Neste período, cada time deverá fornecer uma lista com o nome das pessoas para receberem autorização para comparecer às sessões de treinamento.

Outra informação é que o conselho da Conmebol autorizou a modificação dos regulamentos, permitindo – para esta edição única – que os jogadores representassem mais de dois clubes na Libertadores e Sul-Americana. Além disso, um jogador que mudou de clube poderá retornar à sua agremiação original na mesma edição do torneio, algo que não era permitido.

As mudanças aprovadas anteriormente autorizam a inclusão de jogadores, desde a fase de grupos. A incorporação no novo clube pode ocorrer em qualquer estágio da competição, onde são permitidas substituições na lista do elenco.

Na tentativa de cuidar do desempenho físico dos jogadores e manter alto o nível da competição, a Conmebol aprovou a inclusão da regra de cinco substituições por equipe em cada partida.

Por fim, em relação à arbitragem, o conselho decidiu adaptar as disposições regulamentares aos tempos da atual pandemia. Neste sentido, os trios podem ter árbitros de diferentes nacionalidades e, para casos de extrema necessidade, foi autorizada a possibilidade de os árbitros serem do país local.

Responsável por cuidar do futebol sul-americano, a Conmebol vai dar assistência financeira para voos fretados dos clubes, o que aumentará a ajuda financeira para US$ 93,1 milhões (cerca de R$ 500 milhões).

Publicidade