Mesmo após vexame no Mundial, EUA seguem líderes no ranking da Fiba; Brasil é 11º


A disputa do Mundial de Basquete Masculino, encerrado no último domingo na China, mexeu bastante no ranking da Fiba, que divulgou nesta quinta-feira a atualização de sua lista. Das 30 primeiras colocações, apenas duas não tiveram alterações: justamente as duas primeiras. Mesmo após o vexame de ficar na sétima posição, na pior campanha da história, os Estados Unidos seguem na liderança e são seguidos de perto pela agora atual campeã Espanha, que encurtaram a distância de pontos.

Desde a conquista do Mundial de 2010, na Turquia, a seleção dos Estados Unidos ocupa a primeira colocação do ranking da Fiba. Neste período, conquistou também o título em 2014, na Espanha, e as medalhas de ouro nos Jogos Olímpicos de Londres-2012 e do Rio-2016. Com as campanhas na competição realizada em solo chinês, os espanhóis conseguiram reduzir para 54,9 pontos a diferença para os norte-americanos (786,4 contra 731,5).

Quarta colocada no Mundial – perdeu a semifinal para a Espanha e a disputa do terceiro lugar para a França -, a Austrália foi um dos países que mais subiu na atualização do ranking e está agora em terceiro lugar, com 673,6 pontos. O país da Oceania é seguido de perto pela vice-campeã Argentina, em quarto, e pelos franceses, em quinto.

O Top 10 da lista da Fiba é completado pela Sérvia, que caiu da quarta para a sexta posição ao terminar em quinto no Mundial, Grécia, Lituânia, Rússia e República Checa. Os checos foram os que mais subiram entre os 10 primeiros colocados – saiu do 24.º para o 10.º posto.

Eliminado na segunda fase com derrotas para República Checa e Estados Unidos – depois de vencer Nova Zelândia, Grécia e Montenegro na primeira -, a seleção brasileira encerrou o Mundial na 13.ª colocação. Foi o suficiente para ganhar uma posição no ranking e assumir o 11.º lugar.

PRÉ-OLÍMPICOS – Com a atualização do ranking, a Fiba anunciou nesta quinta-feira os oito convites para a disputa dos quatro Pré-Olímpicos Mundiais, que serão realizados entre 23 e 28 de junho de 2020 e darão as quatro últimas vagas ao Jogos de Tóquio-2020.

O Brasil conseguiu a sua vaga ao ficar entre os 16 primeiros do Mundial, fora os que se classificaram diretamente para os Jogos Olímpicos – casos de Estados Unidos, Espanha, Argentina, França, Austrália, Nigéria e Irão, além do país-sede Japão.

Pelas Américas vão Uruguai e México; pela Europa irão Croácia e Eslovênia; pela África receberam convite Angola e Senegal; e pela Ásia/Oceania estarão China e Coreia do Sul. Com o Brasil, eles se juntam a Canadá, República Checa, República Dominicana, Alemanha, Grécia, Itália, Lituânia, Nova Zelândia, Polônia,
Porto Rico, Rússia, Sérvia, Tunísia, Turquia e Venezuela.

Serão quatro grupos de seis equipes e apenas o campeão de cada um dos Pré-Olímpicos se classificará para os Jogos Olímpicos. Ainda não foram anunciados os grupos e os países-sede de cada evento.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora