Basquete fica perto de Tóquio com ajuda de Americana

Débora e Stephanie auxiliaram a seleção a se classificar ao Pré-Olímpico Mundial


A seleção brasileira de basquete feminino deu mais um passo rumo aos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020. Neste domingo, com a ajuda das americanenses Débora Costa e Stephanie Soares, a equipe carimbou passagem para o Pré-Olímpico Mundial, que é a última etapa da seletiva olímpica. Nele, 14 seleções vão brigar por dez vagas.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

A conquista veio no Pré-Olímpico das Américas, com uma vitória por 77 a 55 sobre a Argentina, anfitriã do torneio. Armadora titular, Débora somou cinco pontos, seis assistências e um rebote. Stephanie também entrou em quadra durante a partida. A pivô pegou quatro rebotes.

Foto: Divulgação
Elenco brasileiro triunfou na competição realizada na Argentina

A competição reuniu oito times, que estavam separados em dois grupos. Os dois melhores de cada chave avançavam para o Pré-Olímpico Mundial, que será em fevereiro de 2020.

O Brasil caiu no Grupo B, junto de Estados Unidos, Colômbia e Argentina. Na classificação final, a seleção verde-amarela ficou em segundo lugar, atrás apenas das norte-americana, que já tinham lugar garantido nas Olimpíadas.

Cada equipe disputou três jogos. Antes do triunfo contra a Argentina, o Brasil havia perdido para os Estados Unidos por 76 a 61 e vencido a Colômbia por 61 a 33. Todo o campeonato aconteceu na cidade de Bahía Blanca.

Débora foi a segunda atleta com mais assistências no torneio: 17. Nesse quesito, ela perdeu somente para a estadunidense Chelsea Gray, com 18.

Neste ano, pelo Brasil, as duas americanenses já tinham conquistado o ouro nos Jogos Pan-Americanos de Lima. Débora tem 28 anos e atua no Sesi Araraquara, enquanto Stephanie é a caçula da seleção, com 18 anos, e joga pelo The Master’s University, nos Estados Unidos.

Em setembro, Débora ainda faturou o bronze da Copa América, evento classificatório para o Pré-Olímpico das Américas.

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

A equipe nacional também conta com dois moradores de Americana na comissão técnica: a ex-jogadora Adriana Santos, hoje coordenadora das seleções femininas, e Virgil López, auxiliar do treinador José Neto.

“A gente está tendo bastante êxito. As meninas estão conseguindo aprimorar bem o jogo. A gente está jogando um basquete moderno, um basquete de encher os olhos, tanto na defesa quanto no ataque. E é muito gratificante estar aqui nessa equipe”, disse Adriana.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora