11 de agosto de 2020 Atualizado 23:10

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Cultura

Tinder é acusado de transfobia por artista e usuários relatam exclusão de perfis

Por Agência Estado

12 jul 2020 às 16:07 • Última atualização 12 jul 2020 às 20:07

A artista perfomática Romagaga publicou um vídeo com um desabafo em seu Twitter na madrugada deste domingo, 12, relatando ter dificuldades para manter um perfil no Tinder por ser trans e usando a hashtag #TinderTransfobico.

“Está lá o Tinder usando a bandeira LGBT, usando a causa, se promovendo, sendo que nós trans não temos o direito de estar no aplicativo. Eu faço uma conta lá e em um minuto eu sou banida. Qualquer outra trans que faz é banida. Isso não é justo. Isso é crime”, diz Romagaga.

“Não é só um aplicativo não, eu estou cansada de hipocrisia, das pessoas estarem usando a bandeira LGBT e nós não termos direito nenhum. Essas empresas que estão usando a bandeira aí, quantas trans vocês estão vendo trabalhar?”, continua a artista.

Assista ao relato dela na íntegra clicando aqui.

A partir desta iniciativa, mais usuários passaram a acusar de transfobia a plataforma de encontros e o assunto foi parar nos trending topics Brasil.

Após contato da reportagem, o Tinder divulgou um comunicado sobre a acusação. “Estamos dedicados a tornar o Tinder o melhor aplicativo para todes conhecerem novas pessoas. O Tinder não bane usuários por conta da sua identidade de gênero. … No entanto, sabemos que nosso trabalho não está concluído”, informa a nota.

“Reconhecemos que a comunidade trans enfrenta desafios no Tinder, incluindo ser injustamente denunciado sic por matches potenciais. Esta é uma questão complexa e multifacetada e estamos trabalhando em estreita colaboração com organizações ao redor do mundo para melhorar constantemente nossas práticas”, afirma o comunicado.

Segundo o Tinder, todas as pessoas que acreditam que foram banidas injustamente por denúncias relacionadas a sua identidade de gênero podem entrar em contato pelo e-mail questions@gotinder.com para que o caso seja avaliado.

Em junho, o aplicativo de namoro lançou uma atualização que permite o usuário optar por mais opções de identificação – além de homem e mulher.