17 de abril de 2021 Atualizado 18:12

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Televisão

Temporada mais econômica e regional

Institucional e eficaz, “Globo Repórter” exibe em nova temporada o orgulha da própria mesmice

Por TV Press

28 fev 2021 às 09:58

Clássico das noites de sexta, o telespectador já sabe muito bem o que vai encontrar no “Globo Repórter”. No ar desde 1973, o jornalístico é fiel às suas tradições e pautas. A não ser que a data exija alguma matéria um pouco mais específica, o programa está sempre alternando reportagens sobre ecologia, finanças domésticas, comportamento, turismo e saúde.

A aposentadoria de Sérgio Chapelin fez a Globo fixar no posto de apresentadoras Sandra Annenberg e Glória Maria. – Foto: Divulgação

É sintomático que, para a emissora, não há mesmo qualquer plano de grandes alterações no percurso da produção. Entretanto, a pandemia acabou forçando uma leve adaptação no formato, visto que grandes viagens estão limitadas no momento.

Sendo assim, a temporada 2021 surge um pouco mais econômica e regional, como foi a viagem por um Rio de Janeiro quase desconhecido da massa, mostrando fatos curiosos do famoso Cristo Redentor e da Floresta da Tijuca. A pauta é banal, o grande diferencial é a qualidade técnica comum aos programas da emissora, o que além da estética, imprime uma assinatura básica em termos de linguagem e formato de cada edição.

Inspirado em programas documentais famosos do exterior, caso do “60 Minutes”, da rede americana CBS, o “Globo Repórter” influenciou o surgimento de outros programas do gênero na tevê aberta brasileira, como o “SBT Repórter” e o “Câmera Record”.

Na ânsia por renovação, mas sem querer mexer no time que está ganhando, em 2008, a própria Globo investiu no “Profissão Repórter”, onde Caco Barcellos e seus pupilos mostram a mesma notícia por diversos ângulos. Ao contrário do esquema mais “quente” de novo programa, os apresentadores do “Globo Repórter” pouco saem do conforto do estúdio.

É notável que, para estar à frente do programa, a emissora escala seus funcionários mais emblemáticos. Com diversas passagens pelo jornalístico, só a última durou quase 20 anos, Sérgio Chapelin acabou se tornando o principal rosto do programa. A aposentadoria do jornalista, aos 77 anos, em 2019, fez a Globo fixar no posto de apresentadoras duas figuras conhecidas da produção: Sandra Annenberg e Glória Maria.

TOM MAIS LEVE

Com a dupla, o “Globo Repórter” acabou ganhando um tom inevitavelmente mais leve. Conhecida por sua paixão por viagens, Glória Maria já protagonizou momentos divertidos nas matérias que fazia como repórter e cria uma conexão natural com o público do programa, principalmente o mais jovem.

Depois de muitos anos à frente do “Jornal Hoje”, a presença de Sandra no estúdio evidencia sua versatilidade, mas mostra que a jornalista está sendo subutilizada pela Globo. “Mais do mesmo”, mas sem que isso necessariamente tenha de ser algo ruim, o “Globo Repórter” é sinônimo da “depressão” das noites de sexta, mas cumpre bem sua função de entreter e manter viva a tradição televisiva de programas documentais. Símbolo de uma época onde a Globo estava dando os primeiros passos rumo a credibilidade jornalística, a produção é um importante elo da emissora com seu próprio passado.

Publicidade