03 de agosto de 2021 Atualizado 15:55

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura

Quinta temporada de ‘Sessão de Terapia’ ganha em realismo

Nova temporada da série, disponível na Globoplay, tem relevância ao integrar personagens ao caos da pandemia

Por Geraldo Bessa / TV Press

13 jun 2021 às 15:48

“Sessão de Terapia” é uma série resistente. Exibida originalmente entre 2012 e 2014, a produção estava esquecida nas gavetas do canal GNT quando, em 2019, foi ressuscitada pela Globoplay. Com uma temporada criativa e de histórias pungentes, sob a direção e protagonismo de Selton Mello, a obra acabou figurando por meses no ranking de produções mais vistas da plataforma.

A renovação era dada como certa. Porém, a pandemia acabou por postergar a gravação dos novos episódios. Baseada no original israelense “BeTipul” e na versão inglesa “In Treatment”, a estrutura narrativa da série continua intacta: o terapeuta Caio, vivido por Selton, recebe seus pacientes de segunda a quinta e, às sextas, é ele quem vira paciente.

Contemporâneo e firme, o roteiro de Jaqueline Vargas se serve dos mais diversos danos psicológicos causados pelo coronavírus e garante o deleite do elenco e do telespectador ao tocar de forma profunda e sem clichês em temas como depressão pós-parto, gordofobia, racismo, conflito de classes e relações de trabalho dos profissionais da saúde em meio ao caos.

Contemporâneo e firme, o roteiro de Jaqueline Vargas se serve dos mais diversos danos psicológicos causados pelo coronavírus – Foto: Divulgação

Por conta das limitações do momento, a nova temporada de “Sessão de Terapia” deixou a locação em São Paulo para ser inteiramente captada nos Estúdios Globo, no Rio de Janeiro. Com mais espaço e todo o preciosismo cenográfico da emissora a seu favor, a direção de Selton capricha em ângulos e passeios de câmera mais ousados. Os consultórios de Caio e de seu supervisor continuam sendo os únicos cenários da produção e todo o esforço para manter o ar de locação valeu a pena, com direito até aos barulhos urbanos tipicamente paulistanos.

Sem muito para onde correr, são os atores o grande trunfo da produção. Imersos no texto, Letícia Colin, Christian Malheiros, Luana Xavier e Miwa Yanagizawa brilham na mesma medida, aproveitando cada palavra e elevando as adversidades de seus personagens de forma realmente tocante.

A série já começa colocando um ponto final na história de Caio e sua até então supervisora, Sofia, papel da atriz brasileira com carreira internacional Morena Baccarin. Após cruzarem uma delicada fronteira entre as relações estabelecidas na terapia, a personagem é substituída por Davi, de Rodrigo Santoro.

Amigos desde que contracenaram na “flopada” e sobrenatural “Olho no Olho”, de 1993, Selton e Santoro ensaiavam esse reencontro nos estúdios há alguns anos. Sempre defendendo papéis carregados de composição na tevê e no cinema, Santoro surge renovado na simplicidade ao viver o terapeuta que tenta ajudar Caio a superar os próprios traumas.

Frente a frente, a dupla faz jus às carreiras que trilharam ao longo dos anos, em um jogo cênico marcado pela maturidade e intimidade artística. Em um ambiente de aglutinação de problemas pessoais e cotidianos, onde ninguém sai ileso das mortes e adversidades da quarentena, a quinta temporada de “Sessão de Terapia” se utiliza do pano de fundo de seus personagens para mostrar o Brasil no divã. De máscara e exibindo os protocolos de segurança, a série dribla o didatismo ao roçar a realidade.

Publicidade