your pharmacy card free grocery coupons promo code for walgreens" />your pharmacy card free grocery coupons promo code for walgreens" />Lemmy Kilmister viveu o gênero até o limite e se torna uma lenda – O Liberal

Lemmy Kilmister viveu o gênero até o limite e se torna uma lenda

Ícone do heavy metal, vocalista do Motörhead morreu aos 70 anos depois de descobrir um câncer agressivo
your pharmacy card free grocery coupons promo code for walgreens


Dias depois da morte de Scott Weiland, ex-líder do Stone Temple Pilots, a ex-mulher dele e mãe dos seus dois filhos, Mary Forsberg Weiland, publicou um texto na Rolling Stone norte-americana para suplicar pela não glorificação da tragédia – Weiland foi encontrado morto no ônibus da turnê, em 3 de novembro, aos 48 anos, vítima de uma mistura fatal de cocaína e álcool. É uma linha tênue: celebrar a vida, sem exaltar os vícios. A questão com Weiland e tantos outros como ele nunca foi celebrar o definhamento de um músico perante o abuso das drogas, diante da tríade que rege (ou regia) o rock and roll. Pelo contrário. Lamentou-se a tragédia.

É o lamento que germinou no peito dos fãs do lado mais brutal do rock quando surgiu a notícia da morte de Lemmy Kilmister, ícone do heavy metal e vocalista do Motörhead, aos 70 anos, dois dias depois de descobrir um câncer agressivo e voraz no cérebro e no pescoço, na segunda-feira (28). E antes que tenha início o apedrejamento, ninguém compara aqui legado de um ou de outro.

Weiland talvez tenha perdido a luta contra os vícios e excessos antes mesmo de tomar consciência total disso. Algo bastante diferente de Lemmy, cujo histórico de abusos é tão lendário quanto aquele de Keith Richards, o guitarrista dos Rolling Stones que supostamente até cheirou as cinzas do próprio pai. O líder do Motörhead – banda que chegou ao fim com a morte dele, segundo o baterista Mikkey Dee – tinha seus vícios, mas os conhecia bem. Na luta entre a vida e a morte, em um ringue de boxe, a vitória da segunda se deu por pontos, após o soar o gongo final. Desde os 30 anos, Lemmy dizia beber uma garrafa de uísque Jack Daniels por dia. Somente meses antes de morrer, ele trocou o hábito de ingerir refrigerante pelo suco de laranja e um destilado por outro: deixou o uísque e passou a bebericar vodca. Nos últimos anos, a saúde começou a dar sinais de alerta mais frequentes de que as coisas não iam bem – em abril, cancelou o show do Motörhead no Monsters of Rock, em São Paulo, por causa de uma crise gástrica.

Weiland é uma vítima dessa espécie de síndrome de Superman que acomete os roqueiros. O que o rock traz (sexo e drogas), o rock salva. “Imortais”, tais quais Richards e Kilmister, são praticamente uma outra raça, durões na queda, adversários tão agarrados à vida que nem mesmo os abusos são capazes de interrompê-la prematuramente. Com o adeus de Lemmy, o rock vê essas figuras em extinção. O dinossauro beberrão, que levava a vida ao limite, se foi. Um a menos de uma espécie cada vez mais rara do rock, que agora transborda bom-mocismo e penteados meticulosamente acertados. No Motörhead e, antes disso, na seminal Hawkwind, Lemmy era a crueza do rock, era veloz, rude, urrava em vez de cantar. Marcou do punk ao heavy metal, de Metallica ao recente Royal Blood. Não se glorifica aqui os abusos. Celebram-se a vida e a obra deixada. E, como pediu um comunicado oficial da banda, é aconselhável fazê-lo longe da patrulha do politicamente correto, com o volume nas alturas e acompanhado de um drinque ou dois.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora