16 de janeiro de 2021 Atualizado 16:43

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Cultura

Gentili se compara a Simonal: ‘O que fizeram com ele fazem comigo todo mês’

Por Agência Estado

03 jan 2021 às 15:43 • Última atualização 03 jan 2021 às 17:36

Danilo Gentili se comparou ao cantor Wilson Simonal ao falar sobre sua trajetória em entrevista ao podcast Inteligência Ltda. no último dia 28 de dezembro.

“Wilson Simonal foi o primeiro ‘cancelado’ do Brasil. Para valer, porque não tinha internet na época. A mesma coisa que fizeram com o Simonal, fizeram comigo todo mês. Por sorte, eu tenho internet hoje e dá para você ir lá e falar”, comentou.

Em entrevista recente ao Flow Podcast, o humorista também citou o cantor e definiu-o como “Frank Sinatra brasileiro”: “mas ele era negro, pobre e militar”.

“Wilson Simonal foi, provavelmente, o maior showman que já existiu no Brasil. Diferente do Roberto Carlos, ele chamava muito mais atenção lá fora, porque era negro. Você olhava para ele, era um cara que cantava e dançava como ninguém”, prosseguiu.

Gentili ainda recomendou o documentário Simonal: Ninguém Sabe o Duro que Dei e criticou a postura de diversos artistas em relação a Wilson à época da ditadura.

Wilson Simonal

Durante o período militar, acreditava-se que Wilson Simonal teria sido delator e entregado amigos ao Dops Departamento de Ordem Política e Social, o que se descobriu não ser verdade anos depois.

O cantor, porém, é acusado de ter mandado dois colegas do Dops para “pegar” Raphael Viviani, um ex-contador que despertou sua ira ao processá-lo por questões trabalhistas em 1971.

Depois de tentarem arrancar sua confissão a socos, eles trouxeram um telefone com fios desencapados. Enrolaram as pontas nos dedos de Raphael, colocaram outra em sua língua e giraram a manivela até seu corpo se contorcer com a descarga elétrica.

Como ainda assim não confessava o roubo, conforme conta o próprio Viviani no raro depoimento colhido pelo documentário Ninguém Sabe o Duro Que Dei, de 2009, passaram a ameaçar sua família.

Sua resistência então baixou e ele decidiu criar uma história coerente e assinar a confissão. Simonal, conforme diz, esteve no Dops e viu seu estado. “Mas como ele não teve pena de mim, eu jamais tive pena dele”.

Assista à íntegra da conversa com Danilo Gentili clicando aqui.

Publicidade