Folia de Reis precisa dos jovens para sobreviver – O Liberal

Folia de Reis precisa dos jovens para sobreviver

Os grupos que ainda resistem na região, iniciam ações para passar às próximas gerações a beleza da dança e da música


A Folia de Reis (ou Folia de Santos Reis) surgiu em Portugal, segundo a maioria dos historiadores. A tradição atravessou o Oceano Atlântico com os jesuítas e portugueses e se instalou no Brasil Colônia ainda no século 16, sendo continuada em tempos recentes pela iniciativa de pequenos grupos como as Companhias Estrela de Belém, em Santa Bárbara d’Oeste e Companhia Rosa dos Anjos, de Hortolândia.

Em ambas, a “folia” é realizada por cerca de 20 pessoas, tendo o mestre à frente levando a bandeira dos Santos Reis, seguido por cantores e músicos que fazem a saudação às famílias com cânticos sobre o nascimento do menino Jesus e a visita dos três reis magos: Belchior, Gaspar e Baltazar.

Foto: Divulgação
Em Hortolândia, grupo Rosa dos Anjos vai criar um curso de Folia de Reis no Centro de Memória do município para renovar seu quadro de violeiros

A bandeira é o principal símbolo da festa. De acordo com Inácio Luiz Souto, o Mestre Inácio, da Cia Estrela de Belém, a bandeira representa o manto dado por Nossa Senhora aos três reis, em retribuição aos presentes trazidos para celebrar seu bebê.

Receba as notícias do LIBERAL pelo WhatsApp

“No caminho, eles perceberam que estava estampada a figura deles com a Sagrada Família. Eles levaram esse manto para todas as casas que encontraram no caminho, anunciando o nascimento do salvador, e prometeram que, assim que chegassem em casa, dariam uma festa. As pessoas os seguiram até o destino levando prendas e, quando chegaram, fizeram a maior festa”, conta mestre Inácio, há 40 anos no grupo.

À visita da bandeira é atribuída a graças alcançadas como a cura da esposa de Inácio, que voltou a cantar no grupo, sem sequelas, após cirurgia delicada na garganta. “A bandeira é a representação do manto de Nossa Senhora que guardou o menino Jesus. Feliz daquele que recebe a bandeira em casa, que a toca, pois acreditamos que será abençoado”, afirma.

Ouça o “Além da Capa”, um podcast do LIBERAL

Novos adeptos. Apesar da fé, manter a tradição se faz uma tarefa difícil aos grupos. Atrair a atenção dos jovens, bem como trazer novos adeptos à Folia de Reis, será a missão da Cia Rosa dos Anjos para este ano, segundo Francisco Aparecido Borges, o Mestre Chiquinho.

Em março será aberta a formação para novos cantores e músicos no Centro de Memória de Hortolândia Professor Leovigildo Duarte Júnior (a Estação Jacuba), em Hortolândia. “Serão aulas de violão e viola já pensando na próxima Folia de Reis”, diz ele.

A ideia é que as aulas comecem na primeira semana de março com encerramento previsto para o mês de junho. Interessados podem entrar em contato pelos telefones 3865-2678 e 99301-7797 (Whatsapp).

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora