01 de março de 2021 Atualizado 18:52

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Cultura

Flerte com a maldade

Foi em “Haja Coração” que Chandelly Braz interpretou sua primeira vilã, a invejosa Carmela

Por TV Press

20 jan 2021 às 10:12

Para muitas atrizes, interpretar uma vilã é um ponto de mudança na carreira. Seja pelo espaço normalmente dado a esses personagens na trama ou simplesmente por, normalmente, se tratar de um trabalho de composição com mais possibilidades.

Talvez por isso a chance de rever “Haja Coração”, folhetim que a Globo reprisa em edição especial no horário das 19h, seja, tão prazerosa para Chandelly Braz.

“Tive a sorte de receber personagens muito distintas na televisão. Mas, com a Carmela, foi a primeira vez que fiz uma vilã e foi muito bom. Contracenei com artistas que admiro e aprendi bastante”, explica a mineira, que completou 36 anos no último dia 3.

O primeiro papel de Chandelly na tevê foi como a protagonista da minissérie “Cruzamentos Urbanos” – Foto: Divulgação

Na história, Carmela é filha de Francesca, vivida por Marisa Orth, que comanda uma movimentada barraca de frutas em uma feira paulistana. As irmãs, Tancinha e Shirlei, papéis de Mariana Ximenes e Sabrina Petraglia, fazem de tudo para ajudar a família.

Já Carmela, linda e sensual, só pega no batente por obrigação. A jovem odeia a vida humilde que leva e tem planos para sair de casa e conquistar novos horizontes. Nem que, para isso, precise puxar o tapete de muita gente.

“Era sempre muito divertido. Gravar as cenas em família à mesa, por exemplo, sempre rendia muitas risadas. A gente se divertia muito nos bastidores e em cena”, recorda Chandelly.

Parceria
Mas nem só as vilanias de Carmela são responsáveis pelas boas memórias de “Haja Coração”. Foi na trama escrita por Daniel Ortiz que Chandelly estabeleceu uma parceria que acabou rendendo outros frutos mais tarde. “Nessa novela, trabalhei pela primeira vez com o diretor Fred Mayrink. Depois, ele me convidou para fazer ‘Orgulho e Paixão’, outra novela pela qual tenho um carinho imenso”, conta.

Quando soube que “Haja Coração” seria reprisada, Chandelly logo comemorou. Até porque ela não esconde: adora rever trabalhos anteriores. E garante que, como não tem mesmo como mudar nada, é um exercício bem mais leve. “Consigo ver mais do que na época em que estávamos gravando. É legal acompanhar e rever as escolhas que fiz para cada cena, pensar que, se fosse hoje, faria diferente. Não tem a cobrança do momento em que estamos fazendo”, avalia.

“Haja Coração” é um remake de “Sassaricando”, produzida pela Globo entre 1987 e 1988. Carmela, na verdade, é inspirada na ambiciosa Isabel, interpretada por Angelina Muniz na versão original. Na época, Chandelly assume que não chegou a assistir nenhuma cena do folhetim de Silvio de Abreu. Agora, porém, a história é outra. “Está reprisando no Viva! Na época de ‘Sassaricando’, eu tinha só dois anos”, comemora.

Reflexões na pandemia
Enquanto enfrenta a pandemia do novo coronavírus, Chandelly vê como inevitáveis algumas reflexões. Tempo para isso, aliás, não faltou. “Tanta coisa aconteceu nesse período que parece que março de 2020 foi há dois anos”, comenta. Entre diversas questões, a atriz tem refletido mais sobre o papel do ser humano na natureza.

“Aprendemos, erradamente, que a natureza são os bichos, as plantas e os minerais, e que estamos apartados dela, que somos diferentes e superiores. Tenho repensado muito sobre nossos hábitos de vida e a nossa responsabilidade nos impactos ambientais”, defende.

Chandelly, no entanto, sabe que não basta pensar sobre o assunto, tem de mudar o comportamento. Então, aproveitou para adotar novos hábitos em casa. “Agora, faço compostagem do meu resíduo orgânico. Passei a consumir alimentos orgânicos e de agricultura familiar e tenho sido bem mais criteriosa a respeito das marcas e dos produtos que consumo”, garante. Para o futuro, seus planos profissionais também já estão definidos. “Fazer teatro. Ao longo desse ano, eu e mais dois amigos estivemos em um projeto de pesquisa sobre as tragédias gregas. A ideia é montar um espetáculo no ano que vem”, adianta.

Publicidade