03 de agosto de 2021 Atualizado 11:32

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

Agora é que são elas

Emissoras apostam na diversidade das equipes esportivas

Além do maior reconhecimento do futebol feminino, as transmissões esportivas vêm sedo preenchidas por profissionais femininas a cada nova rodada

Por Caroline Borges / TV Press

12 jun 2021 às 09:18

Meio ainda dominado pelo machismo, o futebol é um exemplo de espaço que vem em busca da equidade de gênero. Além do maior reconhecimento do futebol feminino, as transmissões esportivas vêm sedo preenchidas por profissionais femininas a cada nova rodada.

“Precisamos estar sempre de mãos dadas, uma apoiando a outra. Estamos aqui porque temos competência para exercer essas funções. Não queremos competir com os homens e nem tirar o espaço deles, mas ter também o nosso lugar”, ressalta Renana Silveira, primeira narradora do Grupo Globo, que estreou nas transmissões de futebol no SporTV no dia 10 de março deste ano e agora encara o desafio de narrar seu primeiro Brasileirão.

Além do principal campeonato nacional, Renata enfrentará, apesar da pandemia de Covid-19, um período de intensas competições. Nos próximos meses, ela também integra a equipe de disputas, como a Copa do Brasil, Eurocopa, Olímpiadas de Tóquio e uma próxima rodada de Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

Renata, no entanto, não será a única narradora nesses eventos. Além dela, as coberturas também contarão com Natália Lara, ex-narradora dos canais Fox Sports. “Não estamos inventando a roda, mas trazemos a nossa forma de fazer, com o nosso olhar e vivência. É um sonho realizado. Lutei por muitos anos para conseguir chegar aqui. A presença de mulheres nas equipes de transmissão de futebol é uma enorme conquista para todas nós”, afirma Natália.

A dupla segue os passos de Luciana Mariano, profissional dos canais esportivos da Disney, que incorporam ESPN e Fox Sports, desde 2018. Aos 21 anos, Luciana fez história e estreava como primeira narradora de futebol da televisão brasileira, pela Bandeirantes, no Torneio Primavera, uma espécie de Rio-São Paulo do futebol feminino.

Primeira mulher a comentar um jogo masculino na Globo, Ana Thais Matos caminha para seu terceiro Brasileirão. Conhecida dos programas esportivos do SporTV e do “Encontro com Fátima Bernardes”, ela celebra a chegada de novas colegas nas equipes de transmissão, indo além da reportagem. Atualmente, ela também conta com o reforço de Renata Mendonça, que integra o quadro de comentaristas do SporTV. “As meninas apaixonadas por futebol agora conseguem também se ver nas transmissões. Passa uma mensagem para elas: esse lugar também é de vocês. Por muito tempo, foi um lugar negado para nós, então temos de celebrar esse momento em que conseguimos aumentar a quantidade de mulheres nas transmissões a cada ano e buscar mais”, defende.

ARBITRAGEM

Setor de polêmicas inacabáveis, a arbitragem também passa por transformações. Em abril, Nadine Basttos, comentarista de arbitragem, trocou o Grupo Globo pelo SBT, que vem reforçando sua grade de esportes nos últimos meses. Além da Libertadores da América, a emissora de Silvio Santos irá transmitir a polêmica e conturbada Copa América, a partir de hoje, dia 13, e exibirá a Liga dos Campeões da Europa no segundo semestre. Nadine atuou como árbitra por 10 anos e, em 2017, tornou-se a primeira mulher comentarista de arbitragem da tevê brasileira.

Com a saída da ex-árbitra do SporTV, Fernanda Colombo chegou ao Grupo Globo no início de maio. “Quando estamos dentro do processo é mais difícil visualizar o impacto que causamos. Eu me orgulho muito do trabalho das minhas colegas. Agora eu faço parte deste time e divido a responsabilidade com elas”, celebra Fernanda.

Publicidade