25 de outubro de 2020 Atualizado 18:36

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Música

Eliana Pittman une passado e presente em disco

Cantora lança em um mesmo trabalho um disco inédito e resgata rara gravação ao vivo dos anos 1970, feita na capital francesa

Por Luciano Assis

01 dez 2019 às 08:16 • Última atualização 27 abr 2020 às 11:19

Em uma espécie de “compre um, leve dois”, o novo disco da cantora Eliana Pittman recebe adequadamente o título de “Ontem, Hoje e Sempre”. Apesar de separados por quase 50 anos, o registro acústico realizado neste 2019, que abarca as primeiras 10 canções do álbum, se casa perfeitamente com a gravação ao vivo captada em Paris em 1970, que se estende pelas nove músicas seguintes.

Ambas são costuradas pela voz marcante da intérprete que sempre buscou exaltar a fina flor da música popular brasileira.

Foto: Murilo Alvesso / Divulgação
Cantora Eliana Pittman vive um ótimo momento da carreira aos 74 anos de idade

O projeto nasceu durante o processo de trabalho da cantora com o produtor Thiago Marques Luiz, que a partir de 2012 a chamou para uma série de projetos em São Paulo. Durante as gravações do novo disco, com a obra de compositores como Carlos Lyra, Martinho da Vila, Candeia e Fito Paez, Thiago descobriu uma rara gravação ao vivo nos arquivos da artista.

“Eu guardo tudo da minha carreira, desde quando comecei. Só que eu nem lembrava dessa fita. Aliás, não lembrava nem do show em Paris, feito na boate Dom Camilo”, conta Eliana.

Tanto a cantora, quanto o produtor, enxergaram uma conexão entre as duas gravações e resolveram usá-las em um mesmo CD. “Rapidamente pensei nesse título, mesclando meu passado, meu presente e essa relação que sempre tive com nossa música brasileira”, frisa a cantora.

Filha do lendário saxofonista norte-americano Booker Pittman, Eliana começou a carreira nos anos 1960, no auge da bossa nova, que bebia fartamente na tradição do jazz, que seu pai tanto dominava. Em pouco tempo, ela se tornou uma das vozes mais requisitadas por grandes compositores e seu sucesso se estendeu até o final dos anos 1970, quando cantoras do seu estilo acabaram sendo deixadas para segundo plano.

Mas no exterior seus discos, principalmente os de samba-rock, continuaram muito cultuados.
Agora, Eliana se vê descoberta por toda uma nova geração de músicos e fãs. “Sempre fui muito ligada ao Rio e, nos últimos anos, tem sido maravilhoso trabalhar com tanta gente nova e talentosa aqui de São Paulo”, elogia.

Tanto carinho, levou a artista a gravar essas canções de “Hoje, Ontem e Sempre”, que se transforma no primeiro trabalho de inéditas da artista desde 1991. “Que eu possa continuar realizando coisas bonitas na minha vida e ajudar as pessoas através do meu canto”, prevê.

Publicidade