05 de agosto de 2020 Atualizado 11:12

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Leitura

Edições do livro que inspirou ‘Adoráveis Mulheres’ invadem livrarias

Obra acompanha quatro irmãs desde o primeiro Natal sozinhas, quando o pai está servindo na Guerra Civil, até a vida adulta

Por Agência Estado

07 jan 2020 às 11:33 • Última atualização 27 abr 2020 às 11:10

Foto: Divulgação
Filme que chega agora às telas é a segunda versão para o cinema – a primeira é de 1994

Livro que inspirou o filme Adoráveis Mulheres, de Greta Gerwig, que estreia nos cinemas brasileiros no dia 9 de janeiro, Mulherzinhas invade as livrarias com pelo menos seis edições diferentes, sem contar as versões digitais, 150 anos depois de seu lançamento.

Mulherzinhas foi publicado pela americana Louisa May Alcott (1832-1888), que foi abolicionista e feminista, em 1868 e teve uma continuação no ano seguinte. A obra acompanha quatro irmãs desde o primeiro Natal sozinhas, quando o pai está servindo na Guerra Civil, até a vida adulta.

Em uma enquete feita pelo programa The Great American Read em 2018, que somou 4 milhões de votos, Mulherzinhas foi considerado o 8º melhor livro de todos os tempos na opinião dos leitores americanos. O melhor foi O Sol é Para Todos, de Harper Lee.

Ao longo de sua história, o romance ganhou adaptações para a televisão e teatro, virou ópera e o filme que chega agora às telas é a segunda versão para o cinema – a primeira é de 1994.

O movimento de reedição de Mulherzinhas começou em 2017 com o volume traduzido por Denise Bottmann e Frederico Carotti e lançado em edição de bolso pela L&PM (332 págs.; R$ 28,90). Depois do anúncio do filme Adoráveis Mulheres, surgiram vários outros.

Em maio de 2019, a Via Leitura publicou a primeira parte da obra traduzida por Giu Alonso, e agora lança a versão completa, com tradução de Giu e de Daniel Moreira Miranda (464 págs.; R$ 53,90).

Um mês depois, em junho, a Martin Claret lançou uma edição em capa dura com tradução de Diego Raigorodsky (680 págs,; R$ 69,90). Em outubro, a Zahar publicou, pela sua coleção de clássicos, a edição integral comentada e acrescida de sua continuação, de 130 ilustrações e de uma cronologia (600 págs.; R$ 89,90). Saiu em capa dura e Bruno Gambarotto foi o tradutor.

Um pouco depois do volume da Zahar chegar às livrarias, a Planeta apresentou a sua edição: também integral, com tradução de Marina Dela Valle e posfácio da escritora espanhola María Dueñas (480 págs.; R$ 59,90).

Para completar a estante, a Penguin lança agora o seu Mulherzinhas (592 págs.; R$ 59,90). A obra ganhou tradução de Julia Romeu e conta ainda com prefácios de Patti Smith e Elaine Showalter.