24 de novembro de 2020 Atualizado 11:18

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Cultura na região

Tradicionais em dezembro, apresentações de corais e orquestras são reformuladas

Pandemia impossibilita apresentações de final de ano; Banda Municipal e Corda Coral planejam programação em vídeo

Por Isabella Holouka

22 nov 2020 às 08:42 • Última atualização 22 nov 2020 às 08:48

As tradicionais apresentações de corais e orquestras que ocorrem em dezembro tiveram que ser interrompidas ou reformuladas neste ano devido à pandemia do novo coronavírus (Covid-19). O problema foi que a pandemia impossibilitou ensaios e apresentações presenciais.

“O problema do grupo, banda ou orquestra é a dificuldade em manter o distanciamento”, explica o regente da Banda Municipal de Americana “Monsenhor Nazareno Maggi”, Jair dos Santos.

“Os músicos precisam estar próximos para que soe melhor a harmonia. Além disso, já foi comprovado que instrumento de sopro quando tocado pode dispersar partículas”, complementa.

A Banda Municipal prepara uma apresentação gravada que será disponibilizada no Facebook da Secretaria de Cultura em dezembro – Foto: Marilia Pierre – Prefeitura de Americana

Assim como foi feito nos últimos meses, para evitar a reunião dos 22 músicos, mas continuar promovendo a cultura, a Banda prepara uma apresentação gravada que será disponibilizada no Facebook da Sectur (Secretaria de Cultura e Turismo) em dezembro, com data a confirmar. Mas a programação destoa do que foi realizado nos anos passados.

“Preparávamos cantatas de Natal, festas em escolas, tocávamos no centro da cidade. Chegamos a fazer uma média de 10 a 15 apresentações nas duas primeiras semanas de dezembro, com repertórios diferentes. Era bem corrido”, lembra.

O período que antecede as festas também será atípico para o Coro de Santo Antônio de Pádua, que não manteve as atividades durante a pandemia e não tem previsão de retomada de ensaios ou apresentações.

Regente do coro, Luiz Sasseron contou ao LIBERAL que como grande parte dos 25 coristas tem idade avançada e risco para o coronavírus, a escolha foi pela segurança. “Se não fosse pelo Covid-19, nossa agenda estaria cheia”, diz, contando 23 apresentações durante 2019, sendo que metade foi nesta época do ano.

No caso do Corda Coral de Americana “Maestrina Marília Andrade”, a regente Ana Paula Rotger diz que foi possível manter os encontros virtualmente, pelo aplicativo Zoom, inclusive com a realização de atividades diferentes, como noites de talentos e programações junto ao Vozes Bárbaras, coral de Santa Bárbara d’Oeste. Entretanto, muita gente não se adaptou à mudança.

Para o final do ano, o coro prepara gravações de quatro cirandas, músicas populares e brasileiras, com tema natalino. “Será uma experiência diferente e nós temos que apoiar uns aos outros, seguindo a corrente do coral, que é uma grande família”, conta Ana Paula à reportagem. Os vídeos devem ser divulgados na página do coral no Facebook.

Já o tenor Cesar Camargo afirma que não abriu a agenda para shows neste final de ano. “As apresentações sempre me trouxeram a oportunidade de estar muito próximo ao público, sem falar que as músicas trazem mensagens de esperança. É um momento de agradecer o ano que passou e ter a certeza de que um novo vem aí, com uma página em branco, para a gente tentar mais uma vez”.

Publicidade