07 de março de 2021 Atualizado 20:39

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

20 vagas

Oficina gratuita de dança afro tem início neste domingo, em Hortolândia

Atividade será presencial, com duração até abril, seguindo protocolos contra Covid-19

Por Isabella Holouka

05 fev 2021 às 18:10 • Última atualização 05 fev 2021 às 18:17

Tem início neste domingo (7) a oficina gratuita de dança afro “Corpo em Movimento”, ministrada em Hortolândia pelo dançarino Felipe Alves, integrante do grupo de dança afro Oju Obá, da associação Ponto de Encontro Caminhos.

“O objetivo é mostrar para as pessoas, por meio da dança, a riqueza da cultura afro e sua influência em outras manifestações multiculturais populares, como capoeira, samba de roda, maracatu”, explica Felipe, em nota divulgada à imprensa.

Oficina será ministrada pelo dançarino Felipe Alves, integrante do grupo de dança afro Oju Obá – Foto: Prefeitura de Hortolândia / Divulgação

Na oficina também serão trabalhados aspectos como consciência corporal, criatividade e sociabilidade. Os participantes aprenderão a importância de se fazer aquecimento e relaxamento, simulação e passos de danças tribais e ritmos.

Ao final da oficina, os aprendizes participarão da montagem de uma coreografia. As aulas e a coreografia serão gravadas e disponibilizadas no canal do YouTube da associação Ponto de Encontro Caminhos.

As inscrições devem ser feitas pelos telefones (19) 98835-4917 e (19) 98730-1428, ou pelo e-mail pcaminhos@gmail.com. São 20 vagas, sem limitações de faixa etária.

A oficina será presencial, com duração até o mês de abril. A primeira aula, neste domingo, será às 16 horas, na Praça do Jardim Adelaide, localizada na esquina das ruas Sebastião Lázaro da Silva e João Alves.

Para evitar a disseminação do novo coronavírus (Covid-19), a atividade seguirá os protocolos sanitários de distanciamento e o uso obrigatório de máscaras.

A oficina é um dos projetos contemplados com recursos da lei federal Aldir Blanc, que oferece subsídio para artistas coletivos e empresas artísticas do município que tiveram suas atividades paralisadas pela pandemia.

Publicidade