26 de maio de 2022 Atualizado 23:34

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Publicidade

Compartilhe

10 anos

Livro ‘Elvis & Madona’, do americanense Luiz Biajoni, ganha edição comemorativa

Romance passou por adaptações de linguagem LGBTQIA+; livro e audiobook têm lançamento nesta semana

Por Isabella Holouka

20 Junho 2021, às 07h42

A história de amor da travesti Madona e da motoboy lésbica Elvis, contada em livro pelo americanense Luiz Biajoni, ganha neste mês – em que se celebra o orgulho LGBTQIA+ – uma edição comemorativa pela editora Bazar do Tempo, após adaptações de linguagem.

No dia 22 de junho, além da nova edição, a história será lançada em audiobook pela Storytel, com narração da atriz trans Carol Marra.

Receba as notícias do LIBERAL no WhatsApp

Com lançamento há cerca de uma década, no final de 2010, “Elvis & Madona” é um caso raro de sucesso duplo. O aspecto de ineditismo, na época, não se baseou apenas na narrativa e nas personagens, mas também no fato de que o livro nasceu da adaptação do roteiro do filme homônimo dirigido pelo cineasta fluminense Marcelo Laffitte.

O escritor americanense Luiz Biajoni – Foto: Ernesto Rodrigues / O Liberal

“Elvis e Madona são personagens criados pelo Latiffe. Ele escreveu o roteiro do filme, começou a filmar, conheceu meus livros e me convidou. Eu escrevi o romance a partir dos personagens dele, apesar de que livro e filme são bastante diferentes, e principalmente o final”, lembrou o autor ao LIBERAL.

O romance é imerso em um universo de sonhos, desejos e violência em Copacabana, no Rio de Janeiro (RJ). Tanto filme quanto livro conquistaram público e crítica, após lançamento conjunto em todas as capitais brasileiras, segundo Biajoni. O filme foi premiado em festivais de cinema.

Biajoni e Latiffe planejavam reedição do livro, parceria com plataforma de streaming para disponibilização online do filme, e uma celebração da década das produções, quando o cineasta fluminense faleceu precocemente aos 56 anos, devido a um infarto fulminante. “A notícia de que queríamos fazer a nova edição acabou chegando ao mercado editorial”, pontuou Biajoni.

Linguagem precisou de adaptações

O enredo engenhoso de Luiz Biajoni combina aventura romântica e trama policial. Dez anos após o seu lançamento, o romance passou por adaptações de terminologia LGBTQIA+, feitas em parceria com a Mezcla Diversidade, consultoria especializada em comunicação inclusiva.

“O livro envelheceu bem, mas a linguagem precisou de adaptação. Os movimentos LGBTQIA+ ainda têm muito a conquistar, mas tiveram um grande avanço nos últimos dez anos. Pensamos que algumas coisas talvez pudessem soar como algum ranço, preconceito, com uma terminologia agressiva”, conta o autor.

Ele cita como exemplo o uso do artigo masculino ao se referir à Madona, na época, que foi substituído pelo artigo feminino – hoje é um consenso de que o correto é “a travesti”, não “o travesti”. Outra questão é o “deadname”, uso do nome de nascimento, pois na primeira versão do livro Madona era frequentemente chamada de Adailton, seu nome de batismo.

Biajoni contou também com o auxílio de Amara Moira, doutora em literatura e ativista trans, no ajuste de pelo menos três cenas do romance. Amara é responsável ainda pelo prefácio da edição, que traz texto em que a professora Vilma Costa analisa a edição original.

Já o posfácio é do escritor Raphael Montes, afirmando que “Biajoni foi um dos primeiros a fazer literatura gay no Brasil. Mais ainda: escreveu uma história romântica, mas com subtrama policial que o coloca no nível de mestres nacionais como Luiz Alfredo Garcia-Roza e Patrícia Melo”.

Americanense nascido em 1970, Luiz Biajoni iniciou a carreira no rádio, contribuiu na fundação e implementação de emissoras de TV comunitárias em Americana e em Limeira, e trabalhou como jornalista. É autor de “A Comédia Mundana” (2013) e “A Viagem de James Amaro” (2016) pela editora Língua Geral, no Brasil, e pela Chiado Editora em Portugal, e “Virgínia Berlim – Uma Experiência” (2017), “Quatro Velhos” (2019) e “Algum Amor” (2020), publicados pela editora Penalux.

Publicidade