Curtas abrem evento de cinema do Instituto CPFL

Entre as produções, destaque para “Roda Viva Roda Brasil”, inspirada na obra de Chico Buarque, dirigida por Isabella Ricchiero


A exibição de seis curtas-metragens e de um clássico do cinema brasileiro nesta sexta-feira, a partir das 17h, em Campinas, abre a programação do Festival de Cinema Latino-Americano de São Paulo, que em 2019 chega à sua 14ª edição – a terceira com sessões gratuitas na Sala Umuarama do Instituto CPFL.

Entre os curtas da primeira sessão está “Roda Viva Roda Brasil”, uma produção de cinco minutos dirigida por Isabella Ricchiero e produzido na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). O curta atualiza para o cenário de 2018 a música “Roda Viva” (1968), composta por Chico Buarque.

Foto: Divulgação
O clássico “Ganga Zumba”, de Cacá Dieguês, é uma das atrações do evento que começa amanhã na cidade de Campinas

Na sequência, às 19h, será exibido o longa “Ganga Zumba”, de Carlos Diegues. O filme, finalizado em 1964, se passa no Nordeste brasileiro, entre os séculos 16 e 17, e conta a história do jovem Ganga Zumba (Antônio Pitanga), futuro líder do Quilombo dos Palmares, uma comunidade de negros fugidos da escravidão, na Serra da Barriga.

Orgulho latino

Até domingo, o público pode conferir o trabalho de cineastas contemporâneos de México, Argentina, Equador, Costa Rica, Cuba, Colômbia e Porto Rico, além dos mais recentes filmes das brasileiras Alice Riff e Tata Amaral, dois nomes de destaque no circuito nacional.

Com o apoio do Instituto CPFL, o Festival de Cinema Latino-Americano é o mais importante evento feito no país dedicado à cinematografia da América Latina e do Caribe.

“O Festival nos ajuda a dimensionar como nossa produção dialoga com nossos vizinhos de língua espanhola, quais as nossas sintonias e nossas particularidades”, avalia o diretor-superintendente do Instituto CPFL, Mário Mazzilli.

Mostra de curtas-metragens

26/07 Sex | 17h:

  • “O Último Romântico”, de Natalia García Agraz (México, 2018, 13min, Livre)
  • “Aurora”, de Enzo Melgarejo, Juan Pablo Labonia e Tomas Kogan (Argentina, 2018, 13 min, Livre)
  • “Desprender”, de Záfiro Ortega (Equador, 2018, 11 min, Livre)
  • “Até o Amanhecer Chegar”, de Aarón Acuña (Costa Rica, 2018, 30 min, Livre)
  • “Os Tempos de Antes”, de Metzli Paulina Ibarra e Karla Lomax (México, 2018, 12 min, Livre)
  • “Roda Viva Roda Brasil”, de Isabella Ricchiero (Brasil, 2018, 5 min, Livre)

26/07 Sex | 19h

  • “Ganga Zumba”, de Carlos Diegues (Brasil, 1964, 110min)

27/07 Sábado | 17h

  • “A Música das Esferas”, de Marcel Beltrán (Cuba, 2018, 82 min, Livre)

27/07 Sábado | 19h

  • “Sequestro Relâmpago”, de Tata Amaral (Brasil, 2018, 85min, 12 anos)

28/07 Domingo | 15h 

  • “Recompor”, de Patricia Ayala Ruiz (Colômbia, 2018, 52 min, Livre)
  • “Cartas de Amor para uma Ícone”, de Gisela Rosario Ramos (Porto Rico, 2018, 54 min, Livre)

28/07 Dom | 17h

  • “Platamama”, de Alice Riff (Brasil, 2018, 82 min, Livre)
LIBERAL VIRTUAL Acesse agora