19 de outubro de 2020 Atualizado 23:05

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Cinema

‘Central do Brasil’ é um filme que não envelhece

Por Agência Estado

24 jul 2020 às 07:33 • Última atualização 24 jul 2020 às 11:41

O filme “Central do Brasil”, de Walter Salles, é fruto da perfeita combinação de talentos – desde a interpretação de Fernanda Montenegro, Marília Pêra e do então pequeno Vinícius de Oliveira até o roteiro de João Emanuel Carneiro e Marcos Bernstein, além da trilha de Jaques Morelenbaum e Antonio Pinto, tudo são peças que se encaixam perfeitamente. O filme encantou o Festival de Berlim (que premiou Fernanda) e foi indicado ao Oscar.

A trama ainda é um primor de simplicidade, mas com engenhosa construção. Dora escreve cartas para analfabetos na Central do Brasil. Uma de suas clientes tenta reaproximar o filho do pai. Ao sair da estação, ela morre e Dora acolhe a criança, o menino Josué, partindo em busca do pai desaparecido.

Os pequenos dissabores humanos sempre interessaram muito a Walter Salles e aqui estão personificados na mulher que descobre um sentido para a vida desolada ao se unir a um menino em sua busca pelo pai.

E tanto o diretor como a atriz reconhecem que alma do filme está na interpretação de Vinicius, garoto descoberto por Salles no aeroporto Santos Dumont, engraxando sapatos. Sua espontaneidade surpreendeu o cineasta e tornou-se uma das principais marcas de um filme que não envelhece.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Publicidade