Trama próxima da realidade

Se afastando dos clichês da adolescência, “Malhação – Toda Forma de Amar” aborda questões sociais


Amor, empatia e respeito são palavras que rondam as últimas temporadas de “Malhação”. A paixão romântica adolescente tem cedido cada vez mais espaço para histórias de amizade e compreensão emocional. À frente do texto da nova temporada da produção infantojuvenil, Emanuel Jacobina quis contar o enredo de duas mães que amam uma criança com a mesma intensidade.

Além das relações amorosas, a produção, que estreia terça, 16, pretende mostrar que a fase da adolescência também é marcada pela construção da personalidade e caráter.

Foto: Divulgação / TV Globo
Jaqueline (Gabz), Anjinha (Caroline Dallarosa), Thiago (Danilo Maia). Rita (Alanis Guillen), Raíssa (Dora de Assis) e Guga (Pedro Alves)

“A ideia é construir uma trama em que, através de diferentes tipos de relação, o amor é o sentimento que predomina, em especial a amizade. Achei importante ir além do amor romântico, embora eu também fale desse amor. O título ‘Toda Forma de Amar’ se refere à história das duas mães e às diversas relações entre os personagens dentro da narrativa”, explica Jacobina.

A temporada irá se basear na convivência entre jovens de realidades tão diferentes quanto Baixada Fluminense e Ipanema, na Zona Sul do Rio, com alguns deles já cursando a faculdade.

“A trama mostra os jovens inseridos no mundo e nas comunidades em que vivem. Cada um tem a própria história, a sua forma de amar. Pretendemos tocar o coração das pessoas através dos sentimentos vividos pelos personagens”, afirma o diretor artístico Adriano Melo.

Foto: Divulgação / TV Globo
Pedro Novaes, Joaquim Lopes, Paloma Duarte e a pequena Nina em cena de “Malhação

ENREDO

A história é encabeçada pela luta da jovem Rita, papel da novata Alanis Guillen, em busca da filha, a quem nunca viu. Justo na missa de sétimo dia da morte do pai, Rita descobre que sua bebê, que ela acreditava ter morrido, foi levada por ele logo após o parto para o Rio de Janeiro.

Disposta a procurar pela menina, a adolescente deixa sua cidade natal, Queimados, e se muda para Duque de Caxias, ambas na Baixada Fluminense, onde é acolhida pela amiga de sua falecida mãe, Carla, vivida por Mariana Santos, e seus dois filhos. “Minha personagem vai viver uma trajetória intensa em nome do amor incondicional pela filha. Estou orgulhosa e ansiosa para a estreia”, vibra Alanis.

Pista após pista, a jovem descobre que a criança foi adotada por Lígia e Joaquim, interpretados por Paloma Duarte e Joaquim Lopes, que a criam cercada de amor, ao lado do filho já adulto do casal, Filipe, de Pedro Novaes. “A Lígia é uma médica bem-sucedida, mas, para ela, a maternidade está muito à frente do trabalho. Me identifico completamente com ela. Sou mãe e trabalho como atriz nas horas vagas”, conta Paloma.

Lidando com um elenco majoritariamente novato, a direção realizou um intenso processo de preparação. O trabalho teve como norte gerar harmonia e entrosamento entre os atores, exercitar ferramentas de interpretação e o relacionamento com o audiovisual.

“Muitas pessoas do elenco nunca trabalharam na tevê. Juntos, descobrimos interesses e referências de dramaturgia em comum, desafios e dificuldades. Trabalhamos também as relações entre os personagens. É um processo muito rico, que faz toda a diferença no momento da gravação e no resultado que veremos no ar”, valoriza a preparadora de elenco Cristina Moura.

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora

Receba nossa newsletter!