24 de setembro de 2020 Atualizado 10:58

8 de Agosto de 2019 Atualizado 13:56
MENU

Compartilhe

Cultura

Atualizado através do tempo

Em “Totalmente Demais” e “Apocalipse”, Leona Cavalli revisita momentos distintos na tevê

Por TV Press

13 ago 2020 às 15:05

Ao acompanhar a edição especial de “Totalmente Demais”, Leona Cavalli até gostaria de lidar com uma simples reprise e uma temática do passado. Porém, na história de Rosane Svartman e Paulo Halm, a atriz interpreta a batalhadora Gilda, uma mulher que se cala diante do assédio do marido em relação à filha dentro de casa.

A novela foi exibida há quase cinco anos, mas, segundo a atriz, o enredo de sua personagem segue mais do que atualizado em diversos lares brasileiros. “É uma trama cada vez mais atual. Se quando gravamos já foi chocante perceber o quanto essa situação de assédio já era comum em mais da metade das famílias brasileiras, por dados de pesquisa; atualmente, com a quarentena, esse número aumentou. É terrível. Por isso, esse tema precisa ser reapresentado para trazer consciência, e, ao mesmo tempo, mostrar que existem meios de defesa e denúncia”, aponta.

Leona Cavalli, a Gilda de “Totalmente Demais”, da Globo, e a Ariela de “Apocalipse”, da Record – Foto: Divulgação

Na produção, Gilda é mãe da protagonista Eliza, papel de Marina Ruy Barbosa. Nos primeiros capítulos, ela ajuda a filha a fugir após a jovem sofrer uma tentativa de assédio do padrasto. Porém, até a personagem tomar coragem para denunciar o marido à polícia, Eliza ainda sofre com as aproximações e importunações de Dino, de Paulo Rocha.

“A Gilda vive uma situação extremamente difícil, tratada com profundidade, mas também com muita delicadeza”, afirma Leona, que celebra os bons índices de audiência da reprise do folhetim. “A novela agrada ao público de todas as idades, desde quem viu a primeira versão, até quem está acompanhando só agora. É surpreendente como, anos depois, ainda é um grande sucesso”, completa.

PESQUISA

Para se aproximar da delicada trama da personagem, Leona fez uma vasta pesquisa sobre a questão do abuso dentro das famílias. Durante o período de estudos, a atriz ficou surpresa pelo elevado número de lares que passam por situações semelhantes. Ainda assim, ao longo da exibição original, Leona viu a temática ser muito bem aceita pelo público.

“Isso me trouxe uma compreensão emocional da situação daquela mãe, dividida entre o amor da filha e o do marido, sem querer enxergar a verdade, por medo. Ao mesmo tempo em que conheci também, através de relatos, mulheres que conseguiram se transformar, o que foi muito importante, identificar essa força; pois a minha personagem consegue reagir”, defende.

APOCALIPSE

A batalhadora e sofrida Gilda não é o único trabalho de Leona no ar. Na contramão da trama de “Totalmente Demais”, a atriz também pode ser vista na versão especial de “Apocalipse”, da Record, em que vive a vilã Ariela. Controladora e ambiciosa, a personagem é uma das inúmeras amantes de Ricardo Montana, papel Sergio Marone. A vilã é o braço direito na ascensão de Ricardo como o Anticristo.

“Uma das coisas que mais gostei na minha personagem foi o fato dela ser uma vilã, mas retratada com humor, ironia e toda a liberdade por ser uma personagem fictícia”, relembra.

De folga das novelas desde o fim de “Órfãos da Terra”, Leona está curtindo rever dois projetos tão distintos no ar. A atriz, inclusive, tem recebidos diferentes “feedbacks” do público. “É muito bom estar em vários veículos ao mesmo tempo, pois a comunicação com o público é maior. São produtos completamente diferentes; mas recebo retorno de muita gente que vê as duas novelas”, afirma.

Publicidade