Estudante da Unicamp expõe obras do TCC no Canadá

Projeto feito para a conclusão da Especialização em Design Gráfico ficou dois dias exposto na Universidade de York


Os cartazes do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) “Fragmentos da Memória”, de Pablo Parra, que concluiu a Especialização em Design Gráfico na Unicamp, foram à exposição na Universidade de York, em Toronto, no Canadá, na última semana.

O projeto reúne cinco cartazes ilustrados com africanos que passaram pela experiência da escravidão em diversos lugares e escreveram a própria história.

Foto: Unicamp
Cartazes do TCC “Fragmentos da Memória”

A apresentação no exterior foi feita à convite da própria Universidade da York, que se interessou pelo projeto após sugestão de Bruno Veras, colega de Pablo e membro de um grupo de pesquisa no Departamento de História do local. A ideia do projeto surgiu a partir do convite de Bruno para que Pablo ilustrasse a capa de seu livro “Biografia de Mahommah Gardo Baquaqua”, que conta a história de Baquaqua.

O designer aceitou e começou a ler e estudar diversos relatos, até que selecionou os que ilustraria em seu TCC sob os critérios de relevância, origem geográfica e balanceamento de gênero, já que era mais difícil que mulheres soubessem ler e escrever na época.

Foto: Arquivo Pessoal
Exposição na Universidade de York, no Canadá

Foram retratados Baquaqua, Maria Graça, Catherine Milgrave, Osifekunde e Nadir Aga. “A parte mais difícil foi ler os relatos, porque essa não é uma história sobre escravidão, é sobre a vida dessas pessoas. No Brasil o que mais vimos é apresentarem o africano como força de trabalho, mas queríamos explorar quem eles eram”, explicou Pablo.

A orientação do projeto foi do professor do curso de Especialização em Design Gráfico, André Rezende, que colaborou com a parte gráfica do projeto. “Para mim o mais complicado no TCC do Pablo foi organizar a pesquisa, principalmente a metodologia, por que tínhamos que justificar todos os elementos escolhidos nos cartazes”, justificou André.

A paleta de cores foi escolhida para remeter aos lugares dos quais todos vieram, locais quentes. Já as outras ilustrações presentes tentavam remeter ao que eles eram ou o que fizeram em vida, segundo Pablo. Para seu orientador, o projeto veio em boa hora para remeter aos aniversário de 25 anos do Projeto Rota da Escravatura, da UNESCO, que reforça ainda mais a importância do projeto.

* Estagiária Maíra Torres, sob supervisão de Talita Bristotti

LIBERAL VIRTUAL Acesse agora